Cavaco Silva "profundamente consternado" com morte de João Lobo Antunes

João Lobo Antunes, por quem Cavaco Silva tinha uma "amizade e estima muito especiais", fez parte do Conselho de Estado do ex-presidente

O ex-Presidente da República Cavaco Silva está "profundamente consternado" com a morte de João Lobo Antunes. "O professor Cavaco Silva está profundamente consternado", afirmou fonte do gabinete do antigo chefe de Estado à Lusa, sublinhando a "amizade e estima muito especiais" que os ligava.

O neurocirurgião João Lobo Antunes faleceu esta quinta-feira aos 72 anos.

Licenciado em Medicina pela Universidade de Lisboa com uma média final de 19,47 valores, foi professor catedrático de neurocirurgia da Faculdade de Medicina de Lisboa e foi diretor de serviço de neurocirurgia do Hospital de Santa Maria, em Lisboa.

Prémio Pessoa em 1996, no último 25 de abril recebeu do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, a Grã-Cruz da Ordem da Liberdade.

Em 2014, no dia em que se jubilou, João Lobo Antunes já tinha sido condecorado pelo então Presidente da República Cavaco Silva com a Ordem Militar de Sant'iago de Espada, que distingue o mérito literário, científico e artístico.

Em 2006 e 2011, João Lobo Antunes foi mandatário nacional das candidaturas à Presidência da República de Cavaco Silva.

Durante os dois mandatos de Cavaco Silva em Belém, João Lobo Antunes integrou o Conselho de Estado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".