Detetado mais um caso de doença das vacas loucas

Este é o "terceiro caso isolado [da doença] detetado na Europa desde 2015" segundo um comunicado do Ministério da Agricultura francês.

Um caso isolado da doença das vacas loucas, o primeiro em cinco anos na França, foi detetado no nordeste do país, perto da fronteira com a Bélgica, anunciou hoje o Ministério de Agricultura francês.

"O caso suspeito de encefalopatia espongiforme bovina (BCE, na sigla inglesa), detetado numa vaca com cinco anos, que morreu prematuramente numa fazenda em Ardennes, foi confirmado a 23 de março pelo laboratório de referência da União Europeia", segundo um comunicado do ministério.

Este é o "terceiro caso isolado [da doença] detetado na Europa desde 2015" e foi "notificado hoje à Comissão Europeia e à Organização Mundial de Saúde Animal", adianta o comunicado.

"A deteção deste caso não afeta o consumidor", assegurou o ministério.

O último caso de encefalopatia espongiforme bovina em França data de 2011.

Um caso de BCE foi detetado na Irlanda em junho de 2015, o primeiro desde 2013 no país.

A doença surgiu no Reino Unido nos anos de 1980, espalhando-se por muitos países na Europa e por todo o mundo devido à utilização de farinhas de origem animal contaminada.

Suspeita de ser uma variante nos animais da doença de Creutzfeldt-Jakob em humanos, a BCE despertou a preocupação nos consumidores e levou a uma grave crise no setor da carne.

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.