Cascais. 20 euros por mês para estacionar, andar de bicicleta e autocarro

Câmara municipal cria um único passe que permite usar rede de bicicletas partilhadas, transportes públicos e estacionamento

Sair de casa de carro, deixá-lo no parque de estacionamento mais próximo e apanhar uma bicicleta até à estação dos comboios ou um autocarro até ao centro da vila. Por 20 euros por mês, quem mora em Cascais vai poder comprar um passe que lhe permite ter acesso a transportes públicos, estacionamentos e bicicletas (Bicas). Para consultar horários, saber onde ficam as estações ou o número de velocípedes disponíveis, basta ter um smartphone por perto. Um projeto "pioneiro e inovador", diz a autarquia, que pode vir a ser adotado por outros municípios.

O MOBI Cascais, apresentado ontem no Centro de Congressos do Estoril, parte do pressuposto de que "uma cidade onde os cidadãos não se podem movimentar não é democrática". Miguel Pinto Luz, vice-presidente da Câmara Municipal de Cascais, explicou ao DN que é um projeto "que integra todos os sistemas de mobilidade do concelho". Pelo preço de "um café por dia" é possível "estacionar, andar de bicicleta e de autocarro".

Desenvolvido pelo Centro de Engenharia e Investigação da Indústria Automóvel (CEIIA), o novo sistema "usa apenas tecnologia nacional" e poderá "ser exportado para outros concelhos." A ideia é criar "mais mobilidade sustentável", "facilitando a vida" dos 210 mil cascalenses e de 1,2 milhões de turistas que visitam o concelho anualmente.

A implementação será gradual. Em setembro, a freguesia de Cascais e o Estoril vão receber as primeiras 217 bicicletas e, no mês seguinte, São Domingos de Rama terá ao seu dispor 123. Só em dezembro do próximo ano será coberto todo o concelho. Ao todo, serão 1200 bicas e 2000 "docas" de estacionamento para as bicicletas disponibilizadas pela autarquia e para as dos próprios munícipes, onde será possível carregar as elétricas.

Quem optar por usar as bicas terá ao seu dispor um serviço inteligente, com informações sobre o estado do piso, alarme antivandalismo, disponibilidade de lugares e bicicletas, sistema de localização. Até ao final do próximo ano, a autarquia garante 70 quilómetros de ciclovias por todo o concelho, além de 12 autocarros elétricos com novas rotas para ligar os parques de estacionamento, as docas para bicicletas, os terminais dos autocarros e as estações de comboios.

Quanto ao investimento, o presidente da autarquia de Cascais, Carlos Carreiras, disse ao DN que entre 2002 e 2016 foram investidos 71,3 milhões de euros em vias de circulação. As bicicletas saíram a custo zero, porque resultaram de parcerias com privados, e os autocarros custam entre 70 e 100 mil euros, mas serão adquiridos "com base nas receitas dos estacionamentos". "É um projeto que se autofinancia", acrescentou.

Além de trazer mais mobilidade, este sistema também permite grandes poupanças, destacou o autarca. Uma pessoa que se desloque com um carro a gasolina de Cascais a Lisboa diariamente gasta, em média, 350 euros por mês. De acordo com os cálculos da autarquia, com o novo sistema - usando o carro, mas também o autocarro e o comboio - consegue poupar 250 euros, gastando apenas 101,93 euros por mês.

O passe para as bicas, o autocarro e o estacionamento custa 20 euros, mas quem quiser usar só as bicicletas paga dez euros por mês e quem optar por bicicletas e autocarros terá de pagar 12,50 euros. Na apresentação do projeto, Miguel Pinto Luz adiantou que, para já, o novo sistema estará disponível só para os munícipes e, futuramente, será alargado a turistas. Além disso, acrescentou, já há conversações com Oeiras e Lisboa para que o sistema seja interligado.

O objetivo é que, no futuro, o passe possa também ser usado na CP, facilitando ainda mais a vida aos munícipes. Segundo o autarca Carlos Carreiras, há ainda a possibilidade de o passe vir a ficar mais barato. "Quanto maior for a adesão, menor será o preço", revelou.

Após a apresentação do projeto, o secretário de Estado do Ambiente mostrou-se "esmagado" com a inovação, considerando-o, "provavelmente, um dos melhores sistemas de mobilidade apresentados em Portugal". José Mendes garantiu ainda aos jornalistas que "o governo está a trabalhar na renovação da linha ferroviária de Cascais", embora não saiba pormenores do projeto nem de datas. Uma medida essencial para o autarca Carlos Carreiras, uma vez que este sistema "vai aumentar a utilização da linha, que já se encontra numa situação de grande fragilidade".

Ler mais

Exclusivos