Casal comprou recém-nascido por 2500 euros

O "comprador" registou-se como pai da criança em novembro de 2015. Entretanto, os pais biológicos do menino desapareceram do país

Um casal português foi detido ontem em Santa Maria de Feira por inspetores da Polícia Judiciária do Porto por ter comprado um bebé recém-nascido a um casal romeno em dificuldades económicas e sociais. O acordo foi fechado por 2500 euros. A mãe biológica teve o bebé em novembro de 2015, no hospital de Santa Maria da Feira.

A partir daí, o comprador, de 30 anos, registou-se como pai biológico da criança, enquanto a mãe verdadeira desaparecia do país, provavelmente para a Roménia. O homem que adquiriu o menino à margem do sistema legal de adoção fê-lo em conivência com a sua companheira, de 23 anos, que assumiu o papel fictício de sua "prima", apurou o DN com fonte ligada à investigação.

Entretanto, a PJ do Porto recebeu uma denúncia anónima sobre o acordo ilegal e pôs-se em campo a investigar o caso.

Em comunicado emitido hoje, a PJ informa que deteve um casal "pela presumível autoria do crime de tráfico de pessoas e que visava a compra de um bebé recém-nascido, cujo parto ocorreu no hospital".

Os arguidos, de 23 e 30 anos e de etnia cigana, terão tentado comprar a criança em novembro de 2015, a um casal estrangeiro, "com dificuldades económicas e sociais", e mediante o pagamento de "elevada quantia" de dinheiro".

Segundo a PJ, os dois arguidos, que são vendedores ambulantes, tencionavam "assumir a sua paternidade à margem do sistema legal de adoção". Os dois vão ser presentes a primeiro interrogatório judicial para aplicação das medidas de coação tidas por adequadas.

Entretanto a Judiciária continua as diligências para identificar e localizar os pais biológicos da criança.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.