Carteiristas apanhadas por polícias à paisana

As mulheres, de origem búlgara, já são conhecidas da PSP. Tiraram uma carteira da mochila de uma turista, na Baixa de Lisboa, e foram surpreendidas por dois agentes à civil

No domingo, às 18.30, no cruzamento entre a rua de Santa Justa e a rua do Ouro, locais da Baixa de Lisboa muito frequentados por turistas (o elevador de Santa Justa é logo ali), duas carteiristas "profissionais", de 23 e 25 anos, e de origem búlgara, misturaram-se com os estrangeiros que ali se encontravam. Uma sacou a carteira da mochila de uma turista enquanto a outra tentou ocultar a manobra. As suspeitas não contavam era com a presença de dois polícias à paisana que já as conheciam e acabaram por as identificar logo ali. A turista nem se apercebeu que tinha sido roubada, conta fonte da PSP ao DN. A carteira foi recuperada e as duas carteiristas notificadas para comparecerem hoje em tribunal. Já estão referenciadas na polícia por furtos similares.

Os dois agentes que estavam à civil trabalham na Esquadra de Intervenção e Fiscalização da PSP de Lisboa, na sede da 1ª Divisão, na rua da Palma.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.