Carteirista profissional desde os 11 anos vai preso

Tem 23 anos mas começou a "limpar" carteiras aos 11. Atuava no Metro e nos eletricos 15 e 28 da Carris, em Lisboa. Pela segunda vez na sua vida, recolheu à cadeia para cumprir pena de seis anos

Começou cedo na arte criminosa de meter a mão em carteira alheia sem ser notado, aos 11 anos. Foi institucionalizado enquanto menor e cumpriu pena de prisão já depois de atingir os 18 anos, pelo crime de furto de carteiras.

Hoje, a Divisão de Segurança a Transportes Públicos da PSP de Lisboa anunciou nova detenção deste carteirista profissional de 23 anos. No dia 15 de fevereiro, na Rua da Conceição, em Lisboa (onde passa o elétrico 28), foi apanhado pelos agentes, detido por oito crimes de furto por carteirista. Recolheu à prisão para cumprir seis anos de prisão efetiva. Mas este resultado só foi possível porque a PSP, em coordenação com a 13ª secção do DIAP de Lisboa, solicitou os mandados de detenção que levaram ao desfecho prisional do caso. É que depois de o terem detido por suspeita de oito furtos, os investigadores confirmaram que ele tinha pendente um outro mandado de detenção para cumprir seis anos de prisão efetiva por ter cometido uma série de seis furtos em transportes públicos.

Presente ao Ministério Público foi constituído arguido com Termo de Identidade e Residência e, por via dos mandados de detenção, recolheu à cadeia, conclui o comunicado da PSP.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.

Premium

Opinião

Investimento estrangeiro também é dívida

Em Abril de 2015, por ocasião do 10.º aniversário da Fundação EDP, o então primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmava que Portugal "precisa de investimento externo como de pão para a boca". Não foi a primeira nem a última vez que a frase seria usada, mas naquele contexto tinha uma função evidente: justificar as privatizações realizadas nos anos precedentes, que se traduziram na perda de controlo nacional sobre grandes empresas de sectores estratégicos. A EDP é o caso mais óbvio, mas não é o único. A pergunta que ainda hoje devemos fazer é: o que ganha o país com isso?