Carteirista profissional desde os 11 anos vai preso

Tem 23 anos mas começou a "limpar" carteiras aos 11. Atuava no Metro e nos eletricos 15 e 28 da Carris, em Lisboa. Pela segunda vez na sua vida, recolheu à cadeia para cumprir pena de seis anos

Começou cedo na arte criminosa de meter a mão em carteira alheia sem ser notado, aos 11 anos. Foi institucionalizado enquanto menor e cumpriu pena de prisão já depois de atingir os 18 anos, pelo crime de furto de carteiras.

Hoje, a Divisão de Segurança a Transportes Públicos da PSP de Lisboa anunciou nova detenção deste carteirista profissional de 23 anos. No dia 15 de fevereiro, na Rua da Conceição, em Lisboa (onde passa o elétrico 28), foi apanhado pelos agentes, detido por oito crimes de furto por carteirista. Recolheu à prisão para cumprir seis anos de prisão efetiva. Mas este resultado só foi possível porque a PSP, em coordenação com a 13ª secção do DIAP de Lisboa, solicitou os mandados de detenção que levaram ao desfecho prisional do caso. É que depois de o terem detido por suspeita de oito furtos, os investigadores confirmaram que ele tinha pendente um outro mandado de detenção para cumprir seis anos de prisão efetiva por ter cometido uma série de seis furtos em transportes públicos.

Presente ao Ministério Público foi constituído arguido com Termo de Identidade e Residência e, por via dos mandados de detenção, recolheu à cadeia, conclui o comunicado da PSP.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.