Carta por pontos é "oportunidade perdida"

Presidente do ACP critica atrasos no processamento das multas. Dos 95 mil processos que tiram pontos só 3% foram concluídos

A introdução da carta por pontos "foi uma oportunidade perdida". Seis meses depois de o sistema ter sido implementado, a sua baixa eficácia - apenas 3% dos processos instaurados tiveram consequências - levam o presidente do Automóvel Club de Portugal (ACP), Carlos Barbosa, a considerar que os seus efeitos para melhorar a condução dos portugueses falharam. Tudo porque a Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR) não tem pessoas suficientes para dar seguimento aos processos das multas de trânsito.

"Basta ver que, dos mais de 90 mil autos abertos nestes seis meses, apenas 3000 foram concluídos e só oito condutores perderam a carta", refere Carlos Barbosa. O problema não é novo: "Isto já vem de quando António Costa era ministro da Administração Interna e dividiu a Direção-Geral de Viação em IMT, que tem os veículos, e em ANSR, que tem os condutores, e deixou a ANSR sem pessoal suficiente."

As próprias autoridades que fiscalizam o trânsito alertam para a necessidade de mudar a forma como depois os processos são tratados. Na edição de ontem do DN, o tenente-coronel Lourenço da Silva, da Unidade Nacional de Trânsito da GNR, apelava para que "a ANSR venha a simplificar o tratamento dos autos na fase posterior à fiscalização pelas forças de segurança para que se evitem as prescrições que têm acontecido".

A preocupação de Carlos Barbosa é que os portugueses não alterem os seus comportamentos na condução porque veem estes números, sabem que os processos são demorados e que em muitos casos acabam por prescrever. "O que se passa é que as pessoas se estão nas tintas, não estão nada preocupadas e como acham que isto não vai a lado nenhum continuam a conduzir mal", lamenta o presidente do ACP.

De 1 de junho a até 29 de novembro foram levantados 95 802 autos que podem resultar na perda de pontos na carta de condução. No entanto, apenas 3012 condutores perderam alguns dos 12 pontos que foram originalmente entregues a cada condutor. Segundo as indicações dadas pela ANSR ao JN, o reduzido número de casos de perda de pontos com o facto de muitos casos estarem "em tramitação" ou então por ter havido uma decisão definitiva de arquivamento do auto.

No caso das fiscalizações de excesso de velocidade, "o processo é automático", mas nas restantes fiscalizações de trânsito "é preciso uma intervenção dos funcionários", aponta Carlos Barbosa. Além disso, "as pessoas podem recorrer e ao fim de dois anos as multas prescrevem", explica.

A seguir ao levantamento de um auto por parte da GNR, PSP ou Polícia Municipal, segue-se o reencaminhamento para a ANSR que tem de notificar o condutor, que tem 15 dias para apresentar defesa. Depois deste passo e da decisão emitida, o condutor pode ainda pedir a impugnação da decisão, abrindo um novo processo.

"Não há meios, o Estado sabe disso, mas há anos que não entra ninguém na função pública e parece que é para continuar assim. Pode ser para poupar, mas por outro lado também está a perder milhares de euros nas multas que ficam por cobrar por não haver funcionários suficientes a gerir os processos", aponta Carlos Barbosa.

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.

Opinião

DN+ A Cimeira da CPLP em Cabo Verde: a identidade e o poder pelo diálogo

Não é possível falar da CPLP sem falar de identidade. Seja ela geográfica e territorial, linguística, económica, cultural ou política, ao falarmos da CPLP ou de uma outra sua congénere, estaremos sempre a falar de identidade. Esta constatação parece por de mais óbvia e por de menos necessária, se não vivêssemos nos tempos em que vivemos. Estes tempos, a nível das questões da identidade coletiva, são mais perigosos do que os de antigamente? À luz do que a humanidade já viveu até agora, não temos, globalmente, o direito de afirmar que sim. Mas nunca como agora foi tão fácil influenciar o processo de construção da identidade de um grupo, de uma comunidade e, inclusivamente, de um povo.