Carrinha onde viajavam os 12 portugueses que morreram em França tinha pneus carecas

Houve várias infrações ao código da estrada assinaladas no acidente que matou emigrantes em França

A carrinha onde morreram 12 emigrantes portugueses em França em março do ano passado, na sequência de um acidente rodoviário, tinha os pneus carecas. Esta é uma das várias infrações ao código da estrada que constituem agravantes às circunstâncias do acidente, que ocorreu na estrada nacional N79, perto de Lyon.

A viatura, que fazia a viagem entre Suíça e Portugal, circulava em "velocidade excessiva" e fez uma "ultrapassagem numa zona sem possibilidade de regresso breve", segundo dados da perícia das autoridades francesas, citados pelo Jornal de Notícias.

Ricardo Pinheiro, de 19 anos, era o condutor da carrinha Mercedes Sprinter e foi o único sobrevivente do acidente. O jovem não tinha carta de condução para guiar este tipo de veículos e é acusado de homicídio involuntário e ferimentos involuntários agravados, tal como o tio e dono da carrinha, Arménio Pinto, de 35 anos.

Arménio Pinto organizava o transporte de emigrantes entre Suíça e Portugal. A carrinha tinha 6 lugares mas transportava 13 passageiros. Para isso, foram acrescentados à viatura bancos artesanais.

Os dois arguidos serão julgados pelo Tribunal de Moulins, em França. Segundo o Jornal de Notícias, o julgamento deverá realizar-se no último trimestre deste ano. Ricardo Pinheiro aguarda julgamento em França, enquanto Arménio Pinto está em Trancoso, de onde é natural.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".