Carne de vinho e alhos substitui a sardinha no Santo António na Madeira

O Santo António é comemorado há cerca de 20 anos no arquipélago

A freguesia de Santo António, no Funchal, começa na quarta-feira a celebrar as festas em homenagem ao seu padroeiro, com a carne de vinho e alhos, uma iguaria da gastronomia madeirense, em destaque, além das tradicionais marchas populares.

"Aqui, o que é mais tradicional na freguesia, por mais incrível que pareça, embora tenhamos, nem é a sardinha, mas sim a carne de vinho e alhos, sem dúvida" disse o presidente da Junta de Freguesia de Santo António, Rui Santos, à agência Lusa.

O autarca contou que as comemorações do Santo António se realizam nesta freguesia há cerca de 20 anos e tiveram como impulsionador o presidente da junta da altura, António Rentroia, salientando que as festas, ao longo dos anos, ganharam algumas inovações.

"Inicialmente faziam as festas onde era a garagem de autocarros de Santo António. Depois, a freguesia mudou em termos de configuração, passaram para a zona da praça de táxis, contando com música de rua, acordeonistas, entre outros" explicou Rui Santos, dizendo que este ano há um "novo formato" e haverá um palco onde decorrerão os espetáculos.

O desfile das marchas populares, o ponto alto do programa, no domingo, que atrai todos os anos cerca de 10 mil pessoas, conta com mais de 700 figurantes, que, com trajes coloridos, arcos ao alto e outros adereços alusivos ao padroeiro, desfilarão nas ruas ao som das músicas tradicionais alusivas ao santo.

Os marchantes, em grupos oriundos de vários locais da Madeira, serão avaliados por um júri que valorizará vários aspetos durante o desfile, como a música mais original ou a melhor coreografia, atribuindo, no final, prémios às três melhores equipas.

Rui Santos adiantou que, devido à grande adesão às marchas populares, a junta pretende, no próximo ano, rever e alterar o regulamento existente.

O objetivo é elevar o nível do desfile "através de uma pré-seleção das marchas, com visitas às zonas de ensaio, com avaliação dos trajes e endereços antes de permitir que sejam inscritos", de forma a limitar aquelas que não atingem os objetivos criados pela organização.

O presidente da autarquia madeirense lembrou que o objetivo das festas é celebrar o padroeiro que deu nome à localidade de Santo António, mas também "promover junto da população o convívio e a alegria", levando mais pessoas para a freguesia.

Nas barracas de comes e bebes não vão faltar também a espetada, o frango no churrasco e o bolo do caco.

As comemorações decorrem entre quarta-feira e segunda-feira, representam um investimento de 16 mil euros e têm lugar nas zonas envolventes ao adro da igreja, na freguesia de Santo António, a mais populosa do concelho do Funchal, onde residem mais de 28 mil habitantes.

Santo António, conhecido como o santo casamenteiro e dos pobres, morreu a 13 de junho de 1231, dia que é celebrado em vários pontos do país, sobretudo em Lisboa.

Ler mais

Exclusivos