Carlos Moedas lança prémio de 2 milhões para ajudar idosos

Quem melhor servir a mobilidade dos idosos ganha um milhão. Depois há quatro segundos prémios de 250 mil euros

O comissário europeu Carlos Moedas apresentou ontem em Lisboa o Prémio Horizonte em Inovação Social, no valor de dois milhões de euros, para melhorar a mobilidade dos cidadãos mais idosos, que serão mais de 88 milhões na União Europeia até 2030. "Hoje lançámos em Portugal um dos maiores prémios para a inovação social, no valor de dois milhões de euros", dos quais um milhão será atribuído ao vencedor que "inventará uma nova maneira de ajudar na mobilidade das pessoas idosas, que é hoje um problema numa população envelhecida", disse Carlos Moedas aos jornalistas, à margem da conferência "Novas Perspetivas para a Inovação Social", que terminará hoje na Fundação Calouste Gulbenkian. Serão ainda atribuídos quatro segundos prémios de 250 mil euros cada às soluções mais inovadoras que permitam aos cidadãos mais idosos continuar a participar em atividades sociais e manter a sua autonomia de forma saudável.

O prémio é financiado pelo Horizonte 2020, o programa de investigação e inovação da União Europeia, adiantou o comissário europeu para a Investigação, Ciência e Inovação.

"Estamos a falar de um prémio mais ou menos da dimensão do Prémio Nobel, mas na inovação social", sublinhou. Para Carlos Moedas, "Portugal tem sido o líder da inovação social", tanto nas "ideias como no empreendedorismo", comparando a conferência ao "websummit da inovação social". Aliás, Carlos Moedas deu como exemplo de empreendedorismo social o designer português Miguel Neiva (ver entrevista), criador de um código universal de cores para daltónicos. "Conheci o Miguel do ColorAdd o ano passado. Ele veio ter comigo como empreendedor e contou-me a sua história. Perguntei-lh o que o fazia mover. Ele disse-me: "O que me faz levantar são as cartas que recebo de miúdos daltónicosde todo o mundo a agradecerem-me".

Para o comissário europeu a inovação social está em "criar objetivos para a vida dos outros".

Também a ministra da Presidência e da Modernização Administrativa, Maria Manuel Leitão Marques, deu exemplos de projetos de inovação social criados por portugueses que mudaram vidas e comunidades. Como o caso da Cozinha Popular da Mouraria, "criada pela Adriana que há 30 anos foi viver para a Mouraria" e criou uma "cozinha para a comunidade do seu bairro onde muitos comem mas também cozinham". Ou como o "Miguel, apaixonado designer quer percebeu o grave problema social dos daltónicos, que são10% da população mundial, e criou o ColorAdd que aplica símbolos às cores e permite distinguir o que antes era igual". Ou ainda, "como a Celmira,umaprofessora que ensinou o Francisco, um menino que não era capaz de comunicar, e acabou por criar o Ekui, uma metodologia de ensino que integra o alfabeto escrito, fonético, a língua gestual e o braille". A iniciativa Portugal Apoio Social apoia financeiramente projetos destes, gerindo 150 milhões de euros.

Ler mais

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.