Câmara quer videovigilância em mais zonas além do Bairro Alto

A questão voltou a ser falada depois de a Polícia Municipal de Lisboa ter admitido não ter um plano de combate ao tráfico de droga na cidade

A Câmara de Lisboa quer alargar a videovigilância na cidade, estando a equacionar a aplicação do sistema existente no Bairro Alto a outras zonas da cidade, mas ainda não sabe onde nem quando.

"O alargamento do sistema de câmaras de videovigilância é uma matéria que está a ser trabalhada pela Polícia Municipal e pela Polícia de Segurança Pública, dada a pretensão do município de alargar o sistema já existente no Bairro Alto a outras áreas da cidade", refere a autarquia, numa resposta escrita enviada à agência Lusa.

Segundo o município, "esta matéria já foi alvo de abordagem entre Câmara Municipal de Lisboa e o Ministério da Administração Interna, para a sua concretização, bem como, recentemente, a Associação de Turismo de Lisboa, que apresentou a disponibilidade para apoiar a implementação deste sistema".

Desde maio de 2014 que está em funcionamento no Bairro Alto um sistema de videovigilância com 27 câmaras que permitem a visualização de imagens em tempo real, entre as 18:00 e as 07:00, podendo servir como meio de identificação e prova.

Quando se decidiu avançar com esta medida, o município pensou também em aplicá-la em locais como a Baixa, Restauradores, Cais do Sodré, Martim Moniz e Intendente, num total de 50 câmaras de videovigilância, mas o plano nunca avançou.

Tendo esse projeto como "base do trabalho atual", a autarquia está a definir "a área abrangida" e a fazer a "avaliação de opções tecnológicas - até porque com a evolução técnica há novas soluções -, dos custos e da respetiva implementação em termos de calendário", segundo a informação enviada à Lusa.

"Ao mesmo tempo, está presente a necessidade da devida articulação e avaliação do projeto pela Comissão Nacional de Proteção de Dados", adianta a Câmara.

Também questionado pela Lusa, o Ministério da Administração Interna indica que "a decisão de instalar sistemas de videovigilância na via pública é das Câmaras Municipais, que articulam com a força de segurança territorialmente competente o modo de operacionalizar essa instalação".

"Definidas as condições de instalação, gestão e operação do sistema de videovigilância, é dado início ao procedimento de autorização pelo Ministério da Administração Interna, mas sujeito a parecer prévio da Comissão Nacional de Proteção de Dados", adianta a tutela, escusando-se a responder se já recebeu algum pedido da Câmara de Lisboa.

A questão da videovigilância voltou a ser falada depois de a Polícia Municipal de Lisboa ter admitido não ter um plano de combate ao tráfico de droga na cidade porque "não pode", já que está "vedada pela lei", que atribui a competência desta investigação criminal à PSP.

Falando numa reunião das comissões de Direitos Sociais e Cidadania e de Mobilidade e Segurança da Assembleia Municipal de Lisboa, o comandante da Polícia Municipal de Lisboa, Paulo Caldas, debruçava-se sobre a venda de droga em locais como a Avenida Almirante Reis e zona envolvente, freguesia de Arroios.

Também presente na ocasião, a presidente da Junta de Freguesia de Arroios, Margarida Martins, indicou que os moradores "sentem que não há controlo sobre a rua" e que "a situação está pior".

A autarca acrescentou que tem vindo a pedir à Câmara Municipal para colocar videovigilância no local, por entender que isso contribuiria para combater o tráfico de droga.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.