Câmara de Lisboa debate criação de bloco de apartamentos no antigo cinema Odeon

O edifício encontra-se numa Zona de Proteção da Direção-Geral do Património Cultural

A Câmara de Lisboa vai analisar um projeto de arquitetura para transformar o antigo cinema Odeon, encerrado desde os anos 90 do século passado, num edifício com 10 apartamentos e uma loja, condicionado à preservação de traços históricos.

Segundo a proposta que vai ser discutida na reunião privada de quinta-feira, e à qual a agência Lusa teve acesso esta segunda-feira, em causa está um pedido de licenciamento feito em março de 2016 pela Grand Odeon Properties Lda., proprietária do imóvel situado nas ruas dos Condes e das Portas de Santo Antão, na freguesia de Santo António.

"A proposta preconiza uma alteração de uso do edifício (Cinema Odeon), passando a ter usos habitacional (10 fogos) e terciário (um espaço comercial), com introdução de estacionamento em cave, sendo conservada a volumetria do edifício e as suas fachadas e parte do interior, nomeadamente a boca de cena, laterais das coxias e parte do teto", aponta a proposta assinada pelo vereador do Urbanismo, Manuel Salgado.

Além da alteração do uso do espaço, projeta-se uma ampliação da superfície de pavimento, que passa de 2239,36 metros quadrados para 2734,16 metros quadrados.

O edifício encontra-se numa Zona de Proteção da Direção-Geral do Património Cultural (DGPC).

Chamada a pronunciar-se, a DGPC emitiu um parecer favorável condicionado à "realização de sondagens arqueológicas de diagnóstico, cujos resultados poderão introduzir alterações ao projeto", à "preservação das caixilharias/carpintarias dos vãos exteriores do piso térreo nos dois arruamentos" e ainda à "execução da caixilharia das novas trapeiras em ferro ou madeira".

Por seu lado, os serviços camarários exigiram a entrega de um estudo hidrogeológico e de dados sobre a caixilharia nova a utilizar nas fachadas, "por forma a aferir da sua adequação às características arquitetónicas do edificado", assinala a proposta.

O documento adianta que o gabinete do ministro da Cultura autorizou a "afetação do antigo Cinema Odeon a atividade diferente".

Localizado junto ao Coliseu dos Recreios, o Cinema Odeon foi inaugurado em 1927 num edifício em estilo 'art déco', acolhendo filmes do cinema mudo e sonoro e outros espetáculos, nomeadamente de teatro radiofónico.

O cinema encerrou nos anos 90 do século passado, numa altura em que só projetava filmes pornográficos.

O edifício foi esvaziado do seu recheio e as fachadas encontram-se atualmente vandalizadas e em mau estado.

Na reunião privada estará também em apreciação um pedido de licenciamento feito pelo Fundo de Investimento Imobiliário IMOCONVENTO para ocupação do edifício da antiga fábrica de azulejos que existia no interior do Quarteirão do Marianos, freguesia da Estrela, com 43 fogos de habitação e áreas de comércio e de estadia.

O projeto sofreu alterações após recomendações da Provedoria de Justiça e da entrada em vigor do plano de pormenor da Madragoa, prevendo agora a criação de 76 lugares de estacionamento e a manutenção das fachadas e da cobertura.

No encontro estará ainda em discussão o projeto de arquitetura para instalação de um centro académico do Instituto Superior Técnico (IST) no Arco do Cego, freguesia das Avenidas Novas.

O espaço, onde funcionou uma estação rodoviária e de elétricos da Carris, foi cedido pela Câmara de Lisboa ao IST em 2011 e acolherá também um posto dos bombeiros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.