Câmara de Lisboa substitui sinais no Bairro Alto e coloca-os nas fachadas dos prédios

Outra das vertentes do projeto é pôr fim à vandalização dos sinais

A Câmara de Lisboa vai substituir a sinalização vertical no Bairro Alto e colocá-la nas fachadas dos edifícios de forma a criar "uma circulação mais adequada" para condutores e peões, foi hoje anunciado.

Em declarações à agência Lusa, o vereador da Mobilidade de Proximidade, Carlos Manuel Castro, referiu que "os sinais têm de ser úteis para os condutores", mas também devem facilitar as "condições de mobilidade dos peões".

"Os sinais são importantes para os condutores, e é importante que isso seja destacado, mas também é preciso perceber que, muitas das vezes, os peões são vítimas das más colocações dos sinais", vincou o autarca.

Por essa razão, o município está a fazer um levantamento nas ruas do Bairro Alto e vai agora ouvir os moradores, os comerciantes, a Junta de Freguesia da Misericórdia e a Polícia de Segurança Pública, que ali tem uma esquadra.

O objetivo é, de seguida, tirar os sinais dos passeios e colocá-los nas fachadas dos edifícios, no sentido de "procurar uma circulação mais adequada num bairro que é tão histórico e tão importante para a cidade de Lisboa", sublinhou Carlos Manuel Castro.

Outra das vertentes do projeto é pôr fim à vandalização dos sinais, de acordo com o responsável: "Podemos ir lá ver e estão todos cobertos de autocolantes".

Segundo o autarca, a ação começa no Bairro Alto por ali haver "uma necessidade premente de fazer essa evolução da sinalética". Contudo, haverá um "trabalho de fundo para toda a cidade", adiantou, salientando que noutras zonas poderão ser adotadas soluções diferentes.

"A realidade do Bairro Alto ou dos bairros históricos é completamente diferente da do Parque das Nações, do Restelo ou do Lumiar. E daí essa necessidade de adaptar o tipo de respostas, de forma adequada, àquilo que é a realidade concreta da cidade em cada local", disse.

Ouvido pela Lusa, o presidente da Associação de Moradores do Bairro Alto, Luís Paisana, reconheceu a necessidade da intervenção: "Os sinais estão todos completamente vandalizados e destruídos, cheios de autocolantes". Contudo, criticou a falta de informação sobre o projeto.

Numa carta enviada esta semana à Câmara de Lisboa, e endereçada a Carlos Manuel Castro, a Associação de Moradores do Bairro Alto lamenta que a autarquia tome "decisões que afetam diretamente moradores e comerciantes que estão no território, sem os envolver nem consultar, incluindo as suas respetivas associações".

Questionado pela Lusa, o vereador Carlos Manuel Castro assegurou que se vai reunir em breve com esta associação.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.