Câmara de Lisboa quer que instituições apoiem refugiados em habitações temporárias

Projeto vencedor recebe quase 200 mil euros

Segundo a proposta à qual a agência Lusa teve acesso, as candidaturas poderão ser submetidas por "instituições particulares de solidariedade social e as que lhe são legalmente equiparadas, bem como as associações, fundações e outras pessoas coletivas privadas de âmbito social sem fins lucrativos que não sejam entidades de acolhimento no âmbito do Programa de Recolocação de Refugiados em Portugal".

Este projeto poderá abranger um máximo de 50 pessoas em condição de refugiado, desde que se inscrevam nos seis meses seguintes ao seu início, tendo em vista um "acompanhamento subsequente em habitação autónoma temporária" durante um ano e meio.

O limite máximo de financiamento a atribuir ao projeto vencedor são 185 mil euros, sendo que os projetos submetidos devem "abranger, exclusivamente, o território da cidade de Lisboa".

A proposta que será apreciada na reunião privada de quinta-feira aponta que o financiamento será repartido em três prestações: 92.500 euros este ano, 55.500 em 2018 e 37 mil euros em 2019.

Segundo o documento, da autoria do vereador dos Direitos Sociais, João Afonso, a Câmara Municipal de Lisboa estima que o procedimento esteja "concluído até ao final de julho".

As regras do procedimento concursal referem também que as candidaturas podem ser apresentadas nos 10 dias úteis seguintes à publicação do aviso em Boletim Municipal.

"O formulário de candidatura e os documentos que o acompanham são entregues no Departamento para os Direitos Sociais, sito no Campo Grande, n.º 25, 7º-A, 1749-099 Lisboa, ou remetidos para apoiorefugiados@cm-lisboa.pt", pode ler-se nas regras.

A apreciação das candidaturas irá ter em conta a "qualidade, a experiência em intervenções similares, consistência do projeto de gestão, capacidade da equipa técnica, demonstrada através dos respetivos currículos, e ainda a capacidade logística" da entidade que se candidata.

"A decisão final compete à Câmara Municipal de Lisboa, nos termos legais", acrescenta o documento anexo à proposta.

O município irá assumir também a monitorização dos projetos, nomeadamente através do Programa Municipal de Acolhimento de Refugiados.

A entidade vencedora deste procedimento concursal deverá "acompanhar os refugiados desde a sua chegada ou na transição do Centro de Acolhimento Temporário para Refugiados (CATR) para a Resposta de Habitação Autónoma Temporária (RAHAT) até à sua autonomização".

Também a identificação de "habitações para alojamento temporário partilhado no âmbito do direito privado para arrendamento nos termos daquele programa (RAHAT)" faz parte das intervenções requeridas, assim como a promoção "do acesso dos refugiados à saúde, às estruturas sociais, formativas, profissionais e comunitárias com vista à integração dos mesmos na comunidade".

O município pretende também a colaboração na "definição dos perfis dos refugiados a integrar em RAHAT", bem como quanto ao "período de permanência de cada agregado familiar em habitação autónoma temporária".

Também será requerida o "acompanhamento individualizado, nomeadamente orientação, apoio domiciliário, apoio psicológico, atividades de integração e acompanhamento a serviços".

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?