Câmara avança com obras nos edifícios afetados por explosão de gás em Alfama

A explosão que ocorreu no domingo na Rua dos Remédios afetou prédios vizinhos

A Câmara de Lisboa vai acionar os mecanismos para proceder "de forma imediata" às obras no edificado afetado pela explosão de gás que ocorreu num prédio em Alfama, afirmou esta segunda-feira o vereador da Segurança e da Proteção Civil.

"Tivemos o cuidado de verificar a questão dos proprietários e, dadas as dificuldades existentes, tivemos o cuidado de responder, de forma imediata, a esta situação, que carece de uma intervenção célere", declarou o autarca Carlos Castro, em declarações aos jornalistas no local do incidente.

Neste sentido, a Câmara de Lisboa já está a acionar os mecanismos para "começar tão breve quanto possível a intervenção neste edificado".

Segundo o vereador da Segurança e da Proteção Civil, a explosão que ocorreu no domingo no número 59A da Rua dos Remédios afetou ainda o prédio vizinho do número 65, pelo que os moradores destes dois prédios só vão poder regressar às habitações quando for feita a intervenção.

No número 59A há o risco de queda da fachada. Já o número 65 sofreu com a projeção da explosão e está a suportar um "peso forte na estrutura", em que "parte do telhado foi danificada".

"Neste momento, do ponto de vista da lateral, já há um grande peso, há uma carga significativa no telhado do edifício contíguo e, nesse sentido, é necessário remover essa carga para o outro edifício ter mais condições e depois todo o cuidado de procurar preservar aquilo que é a fachada ou pelo menos fazer uma demolição controlada", adiantou Carlos Castro, frisando que "se for possível" a intervenção começa já esta segunda-feira.

Além destes dois prédios, o número 62 também sofreu com a explosão, mas não de forma grave, pelo que os moradores já podem regressar às habitações, avançou o autarca.

A Rua dos Remédios foi cortada ao trânsito e vai continuar "interdita o tempo necessário para que decorra intervenção e o restabelecimento da normalidade".

"Não iremos abrir a rua sem estar garantida a segurança das pessoas", declarou o autarca.

Questionado se houve negligência por parte das entidades responsáveis pelo abastecimento de gás, uma vez que vários moradores se queixaram do cheiro a gás, o vereador da Segurança e da Proteção Civil afirmou que é que necessário apurar o que aconteceu.

"De forma objetiva tem que ser apurado o que aconteceu aqui, porque não podem acontecer situações destas. Não consigo dizer com objetividade o que se passou. Temos de facto essas constatações por parte dos moradores, de que havia cheiros de gás, estavam ontem aqui a operar pessoas [das entidades responsáveis pelo abastecimento de gás], mas temos que apurar os resultados daquilo que efetivamente se passou", sublinhou Carlos Castro, frisando que "as autoridades competentes terão que fazer esse trabalho".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.