Câmara de Lisboa abre concurso para 14 casas com rendas a partir dos 114 euros

16.ª edição do Programa Renda Convencionada tem as candidaturas abertas até 5 de janeiro. Visitas aos imóveis acontecem de 4 a 11 de dezembro

A Câmara Municipal de Lisboa abriu um novo período de candidaturas no âmbito do Programa Renda Convencionada, com 14 habitações municipais com rendas entre os 114 e os 268 euros, anunciou esta terça-feira a autarquia.

As candidaturas estarão abertas até 5 de janeiro e as habitações disponíveis têm tipologias entre T1 e T3, refere o município.

Cinco destas habitações localizam-se na freguesia de Marvila, três nos Olivais, quatro no Parque das Nações, uma em Santa Clara e outra em Santa Maria Maior.

"As habitações podem ser visitadas de 4 a 11 de dezembro, entre as 10:00 e as 13:00 e entre as 14:00 e as 16:00", acrescenta a nota, que adverte para o facto de cada casa ter um horário de visita específico, que pode ser consultado na página da internet da Câmara de Lisboa.

Esta é a 16.ª edição do Programa Renda Convencionada.

Qualquer pessoa pode concorrer ao programa, porém "a renda a que se concorre não pode significar menos de 10% do rendimento do agregado, nem mais de 40%", disse à Lusa, em 2015, a vereadora da Habitação e Desenvolvimento Local, Paula Marques.

O município disponibiliza mais informações sobre as habitações e o programa através do site www.rehabitarlisboa.cm-lisboa.pt, do número 217989696, ou do e-mail rendaconvencionada@cm-lisboa.pt.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.