Câmara de Lamego tudo irá fazer para ajudar famílias das vítimas

Câmara decretou três dias de luto municipal

O presidente da Câmara de Lamego, Francisco Lopes, disse hoje que o município tudo irá fazer para ajudar as famílias das pessoas que morreram nas explosões ocorridas terça-feira numa fábrica de pirotecnia em Avões.

Seis pessoas morreram e duas estão ainda desaparecidas após explosões numa fábrica de pirotecnia em Avões, Lamego.

"Na medida das possibilidades e dos recursos que estão ao nosso dispor, iremos tudo fazer para as ajudar a repor a sua vida normal. A cidade está de luto, estas freguesias particularmente estão de luto, posto que era uma família numerosa, de pessoas que eram respeitadas na freguesia e no concelho", garantiu o autarca aos jornalistas.

A Câmara de Lamego anunciou hoje ter decretado três dias de luto municipal pela morte daquelas seis pessoas.

As explosões ocorreram cerca das 17:50 e deixaram destruída uma fábrica de pirotecnia em Avões, a escassos quilómetros de Lamego.

"As juntas de freguesia mostraram vontade de que esta tragédia fosse acompanhada pelo município para que eles também pudessem decretar luto e por a bandeira a meia haste nas instalações das juntas de freguesia do município, mostrando o nosso respeito e o nosso pesar a estas famílias que foram afetadas por esta tragédia tão grande", revelou Francisco Lopes.

O autarca disse ainda aguardar com ansiedade que sejam encontradas todas as vítimas mortais e identificadas, para depois serem entregues às famílias.

Francisco Lopes explicou também que o apoio psicológico tem sido dado pelo Instituto Nacional de Emergência Médica, pela Autoridade Nacional de Proteção Civil e ainda pela psicóloga da autarquia.

"Tratam-se de casais jovens, com crianças pequenas, e tudo isso nos preocupa. Estamos a fazer esse acompanhamento permanente", concluiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.