Câmara da Lourinhã com serviços encerrados na sequência de um incêndio

Incêndio na sala de servidores provocou danos na rede informática. PJ investiga

Um incêndio na sala de servidores da Câmara da Lourinhã provocou hoje danos na rede informática que impedem a abertura dos serviços nos Paços do Concelho, informaram os bombeiros e o município.

Pouco antes das 07:00, as funcionárias da limpeza deram o alerta aos bombeiros para um incêndio naquela divisão, disse o segundo comandante da corporação da Lourinhã, Vítor Mourato, à agência Lusa.

Chegados ao local, os bombeiros conseguiram confinar o fogo à sala.

O vice-presidente da câmara, Fernando Oliveira, afirmou à Lusa que, "tendo os servidores sido afetados, não há rede informática, da qual dependem vários serviços, motivo pelo qual estes estão afetados".

Contudo, esclareceu, nenhuma informação guardada nos servidores ficou perdida, dada a existência de cópias de segurança.

O município está, ainda assim, a avaliar melhor os estragos e a preparar um plano de contingência para adaptar procedimentos, logo que existam condições para reabrir os serviços.

As causas do incêndio deverão ser investigadas pela Polícia Judiciária, que é aguardada no local para efetuar peritagens.

Segundo o autarca, ainda não existe qualquer previsão para reabrir os serviços.

No local, estiveram três veículos de combate a incêndio e 10 homens dos Bombeiros da Lourinhã.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.