Câmara abre porta a estacionamento pago em toda a cidade

Cidade tem 50 mil lugares tarifados na via pública. Número vai aumentar este ano. Há 20 anos não chegavam a mil os lugares pagos

Em 1995 não chegavam a mil. Hoje são cerca de 50 mil os lugares de estacionamento pago e em breve serão ainda mais: até ao final do ano, a Empresa Municipal de Estacionamento e Mobilidade de Lisboa (EMEL) quer criar mais 3857 lugares em zonas tarifadas já existentes, mas o aumento não deve ficar por aí. Amanhã, o executivo municipal debate uma proposta para enviar para discussão pública uma alteração regulamentar que, na prática, permitirá que toda a cidade venha a ter estacionamento pago. A localização de novos "parques dissuasores", onde quem reside fora de Lisboa possa deixar o carro e depois deslocar-se de transportes coletivos, está a ser estudada.

O programa está definido no plano de atividades e orçamento 2016 da EMEL: durante o primeiro semestre, a empresa prevê criar 2167 lugares em três zonas já em exploração em Campo de Ourique, Laranjeiras e Lapa. No seguinte pretende avançar para as zonas da Avenida da Igreja, Santos-o-Velho, Socorro, Carnide, Mercado de Benfica e Benfica/Avenida do Uruguai, disponibilizando mais 1690 lugares pagos. Ao todo, são mais 3857 lugares, 1536 dos quais destinados a residentes, a juntar aos 50 mil já existentes e que suplantam consideravelmente os 967 que deram início ao estacionamento tarifado em Lisboa, em agosto de 1995.

Atualmente, concentram-se sobretudo no centro da cidade e pontualmente em locais periféricos, como o Parque das Nações, Carnide e Belém, mas em breve poderá ser diferente. Em causa está uma alteração ao regulamento geral de estacionamento e paragem na via pública - cujo envio para debate público, durante 15 dias, será amanhã discutido e votado pelo executivo liderado por Fernando Medina (PS) - que, a confirmar-se, tornará possível a delimitação de áreas tarifadas em qualquer ponto da capital, mediante consulta pública, parecer da junta de freguesia e aceitação da CML.

Objetivo é beneficiar moradores

"A EMEL e a CML têm tido frequentes solicitações da população residente e juntas de freguesia para intervir em zonas que não estão cobertas pelo atual regulamento", explica, em resposta por e-mail ao DN, a empresa municipal, frisando que "os residentes são os que mais sofrem com o desordenamento do estacionamento nas áreas não concessionadas pela EMEL."

A prová-lo, salienta na proposta Manuel Salgado, vereador do Espaço Público, está a existência de "várias queixas e reclamações relativamente ao estacionamento abusivo nas zonas limítrofes às zonas atualmente implementadas", apresentadas nomeadamente nas reuniões descentralizadas de Alvalade, Arroios e Penha de França, destinadas exclusivamente a ouvir os residentes naquelas freguesias.

André Caldas (PS), presidente da Junta de Freguesia de Alvalade, confirma ao DN o cenário e exemplifica com o chamado "bairro das vivendas", localizado entre as avenidas Rio de Janeiro e Estados Unidos da América. Como estas são tarifadas mas o bairro não, é frequente o estacionamento abusivo, com reflexos inclusivamente a nível da mobilidade pedonal, com muitos automobilistas a deixar o automóvel em cima dos passeios. "Assim, é possível ter mais agentes a fiscalizar", sublinha, acrescentando que quem ganha com a medida são os moradores.

Na mesma situação encontra-se o Bairro das Colónias, nos Anjos, identificado pela EMEL como um daqueles "cuja população tem pedido com muito empenho que a EMEL passe a gerir o estacionamento". O segredo para o consenso que a proposta gera estará nos benefícios que comporta para os residentes em Lisboa.

"[O alargamento] é positivo desde que se mantenha o estacionamento diferenciado para os moradores na cidade", defende o vereador social-democrata António Prôa. Já Carlos Moura, do PCP, destaca o facto de a última palavra ser do município, ao contrário do que previa a proposta inicial. Mais cauteloso mostra-se o representante do CDS-PP, João Gonçalves Pereira, que prefere esperar pelas explicações de Manuel Salgado.

Menos clara é a existência, ainda que o tarifário adotado seja o mais barato, de alternativas para quem não reside em Lisboa e tem de se deslocar diariamente de carro à capital. "A EMEL, em colaboração com a CML, está a estudar várias localizações para a implantação de parques dissuasores, que serão anunciados em tempo oportuno", adianta a empresa. No plano de atividades para 2016 prevê-se a construção de um parque no Campo das Cebolas e outro na Penha de França.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.