Calendário reúne os pastores mais belos da Serra da Estrela

Receitas revertem para associação que está a ajudar os pastores que sofreram perdas nos incêndios.

Já está disponível o calendário "Os mais belos pastores da Serra da Estrela", uma iniciativa do Notícias de Gouveia em que, apesar do nome, se foge aos habituais padrões de beleza. Os protagonistas são pastores, vivem exclusivamente da pastorícia e têm idades que vão dos 21 aos 80 anos.

A ideia partiu da correspondente da Rádio Renascença e diretora do jornal Notícias de Gouveia, Liana Carona, que nos seus trabalhos contactava com estes homens e ouvia as suas queixas. "É uma profissão muito difícil e não é valorizada", resume ao Diário de Notícias, acrescentando que esta "está em risco de se extinguir".

Calendários havia muitos, mas nenhum protagonizado por pastores. E este, realça a jornalista, distingue-se pelo facto de não impor nenhum tipo de pressão relativamente a padrões de beleza. "Quebra preconceitos e mostra outro tipo de beleza", considera.

Em tronco nu, estão ali 12 pastores, com marcas do sol e de um trabalho duro no campo de quatro concelhos da serra: Manteigas, Gouveia, Seia e Guarda. A escolha, apesar das 30 inscrições nos castings que decorreram no verão, acabou por revelar-se fácil: foram escolhidos aqueles que tinham como atividade principal a pastorícia.

O calendário, com fotografias de Miguel Pereira da Silva, está à venda a partir de hoje e as receitas revertem na totalidade para a Associação Nacional de Criadores de Ovinos da Serra da Estrela (ANCOSE) depois de a Associação de Beneficência Popular de Gouveia (ABPG) ter abdicado dos seus 50%. A ANCOSE, explica a mentora do calendário, está a apoiar 500 pastores afetados pelos incêndios, que mataram mais de 8500 animais.

O calendário pode ser adquirido no Notícias de Gouveia (ou encomendado através do Facebook ou email) e na ANCOSE, a um preço que varia entre os 5 euros e os 7,5 euros.

A primeira tiragem teve 400 exemplares e, após a apresentação do projeto, esta manhã, o jornal local já só ficou com 10. "Vamos ter de imprimir mais", diz satisfeita a organizadora da iniciativa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.