Calendário reúne os pastores mais belos da Serra da Estrela

Receitas revertem para associação que está a ajudar os pastores que sofreram perdas nos incêndios.

Já está disponível o calendário "Os mais belos pastores da Serra da Estrela", uma iniciativa do Notícias de Gouveia em que, apesar do nome, se foge aos habituais padrões de beleza. Os protagonistas são pastores, vivem exclusivamente da pastorícia e têm idades que vão dos 21 aos 80 anos.

A ideia partiu da correspondente da Rádio Renascença e diretora do jornal Notícias de Gouveia, Liana Carona, que nos seus trabalhos contactava com estes homens e ouvia as suas queixas. "É uma profissão muito difícil e não é valorizada", resume ao Diário de Notícias, acrescentando que esta "está em risco de se extinguir".

Calendários havia muitos, mas nenhum protagonizado por pastores. E este, realça a jornalista, distingue-se pelo facto de não impor nenhum tipo de pressão relativamente a padrões de beleza. "Quebra preconceitos e mostra outro tipo de beleza", considera.

Em tronco nu, estão ali 12 pastores, com marcas do sol e de um trabalho duro no campo de quatro concelhos da serra: Manteigas, Gouveia, Seia e Guarda. A escolha, apesar das 30 inscrições nos castings que decorreram no verão, acabou por revelar-se fácil: foram escolhidos aqueles que tinham como atividade principal a pastorícia.

O calendário, com fotografias de Miguel Pereira da Silva, está à venda a partir de hoje e as receitas revertem na totalidade para a Associação Nacional de Criadores de Ovinos da Serra da Estrela (ANCOSE) depois de a Associação de Beneficência Popular de Gouveia (ABPG) ter abdicado dos seus 50%. A ANCOSE, explica a mentora do calendário, está a apoiar 500 pastores afetados pelos incêndios, que mataram mais de 8500 animais.

O calendário pode ser adquirido no Notícias de Gouveia (ou encomendado através do Facebook ou email) e na ANCOSE, a um preço que varia entre os 5 euros e os 7,5 euros.

A primeira tiragem teve 400 exemplares e, após a apresentação do projeto, esta manhã, o jornal local já só ficou com 10. "Vamos ter de imprimir mais", diz satisfeita a organizadora da iniciativa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."