Cada português produziu 464 quilos de lixo em 2015

A indústria teve menos resíduos, mas mais dos perigosos

Cada português produziu 464 quilogramas de lixo em 2015, a segunda maior quantidade dos últimos cinco anos, totalizando 4,8 milhões de toneladas, enquanto a indústria teve menos resíduos, mas mais dos perigosos, revelou hoje o INE.

As Estatísticas do Ambiente de 2015, divulgadas pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), referem que os resíduos direcionados para reutilização e reciclagem atingiram 36%, o que representa um aumento acumulado de 15 pontos percentuais desde 2011.

Esta evolução é explicada pela entrada em funcionamento de novas instalações de tratamento mecânico e de tratamento mecânico e biológico e pelo crescimento de 22% da recolha seletiva, que estava nos 16,2% do total da recolha de lixo.

A meta estipulada na diretiva Quadro Resíduos é de chegar a uma taxa de preparação de resíduos para reutilização e reciclagem de 50% em 2020.

Segundo as regras europeias, até 2020, os resíduos urbanos biodegradáveis enviados para aterro devem descer para 35% do total de lixo deste tipo produzido em 1995, e Portugal, em 2015 estava a 10 pontos percentuais deste objetivo, segundo o INE, ou seja, estava nos 25%.

Dos 1,6 milhões de toneladas de embalagens geradas, cerca de 60% foram valorizados, salienta a informação.

A indústria gerou 8,2 milhões de toneladas de resíduos, o que corresponde a uma quebra de 1,6 milhões de toneladas, ou 16,3%, na comparação com 2014.

"De referir, contudo, que a representatividade dos resíduos perigosos aumentou fixando-se em 6,4% do total, o máximo do período em análise", realça o INE.

Num outro fluxo específico de resíduos, os óleos usados, "por cada 2,6 litros colocados no mercado, um litro foi reaproveitado", acrescenta.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.