Cachorro com 12 mil anos encontrado preservado ainda com pelo

Pensa-se que o cão morreu num desabamento de terras, e ficou conservado "do nariz à cauda" no permafrost da Sibéria

Um cachorro com 12400 anos de idade foi descoberto na camada de permafrost da Sibéria, preservado "do nariz à cauda, incluindo o pelo", segundo escreve o jornal russo em língua inglesa Siberian Times. É uma oportunidade única para estudar um canídeo do Pleistoceno, altura em que a maioria dos estudos indica que os cães já tinham sido domesticados.

Os cientistas responsáveis pela descoberta, da Universidade Federal do Nordeste, em Yakutsk, na Sibéria, realizaram uma ressonância magnética que permitiu confirmar que o cérebro do canídeo está 70 a 80 por cento intacto. O Siberian Times publicou no YouTube um vídeo da autópsia ao animal, que está a ser chamado "Cachorro de Tumat".

"Podemos dizer que é a primeira vez que se obtém o cérebro de um canídeo do Pleistoceno", disse ao Siberian Times o especialista Pavel Nikolski, investigador em Moscovo. É também o primeiro cérebro de um predador a ser descoberto nesta época.

O cachorro mumificado foi encontrado na mesma localização onde, há quatro anos, foi encontrado um outro cão, mas muito menos bem preservado. Este animal, que pode ter sido o companheiro de um homem, está tão bem preservado que é possível ver o pelo nas suas patas nas fotografias divulgadas.

Acredita-se que ambos os cães de Tumat morreram num desabamento de terras, tendo ficado conservados na camada de permafrost siberiana. O ADN do primeiro animal a ser desenterrado confirmou que se tratavam de cães e não de lobos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.