Caça ao marfim mata 80% dos elefantes de uma reserva no Gabão

Investigação indica que mais de 25 mil elefantes do Parque Nacional Minkébé podem ter sido mortos por causa do marfim entre 2004 e 2014

A população de elefantes no parque nacional Minkébé, no Gabão, diminuiu entre 78% e 81% nos últimos 10 anos, devido a caçadores furtivos em busca de marfim, segundo um estudo hoje divulgado.

O Parque Nacional Minkébé é uma das maiores reservas da África Central e situa-se no extremo noroeste do Gabão sendo considerado pelo Fundo Mundial de Proteção da Natureza como uma área a precisar de proteção.

"A nossa pesquisa sugere que mais de 25.000 elefantes do Parque Nacional Minkébé podem ter sido mortos por causa do marfim entre 2004 e 2014", disse John Poulsen, professor assistente de ecologia tropical, da Universidade Duke, de Durham, Estados Unidos (Carolina do Norte).

Segundo o responsável, estimando-se que cerca de metade dos 100.000 elefantes da África Central vivam no Gabão, a perda de 25.000 naquele "santuário chave" é considerada um "revés para a preservação da espécie".

Segundo o estudo, ainda que alguns dos caçadores furtivos sejam do Gabão, a caça ilegal praticada por pessoas dos países vizinhos, especialmente dos Camarões, a norte, foi uma das causas para o acentuado declínio do número de animais.

Os investigadores mediram as perdas de população comparando dados de dois levantamentos, em 2004 e 2014, usando métodos de análise dos excrementos (nomeadamente de forma a ter em conta que as chuvas fortes poderiam deteriorar o estrume e distorcer a precisão).

Os investigadores identificaram duas zonas de pressão da caça furtiva. Segundo Poulsen, a morte de elefantes no sul do parque, a 58 quilómetros da principal estrada gabonesa, não foi muito acentuada. "Em comparação, as zonas central e norte do parque, que ficam a cerca de seis quilómetros de uma estrada nacional dos Camarões, foram esvaziadas", disse.

A proximidade da estrada permite aos caçadores furtivos dos Camarões aceder ao parque, matar os elefantes e levar o marfim para a maior cidade do país, Douala, um centro importante de comércio internacional de marfim.

Desde 2011 que o Governo do Gabão tem tomado medidas para conter a caça furtiva no parque Minkébé, nomeadamente colocando guardas no parque e aumentando o orçamento da agência de parques nacionais. Poulsen lembrou também que o Gabão foi a primeira nação africana a queimar todo o marfim apreendido.

No entanto, adiantou, pouco foi feito para travar o tráfico transfronteiriço.

"Para salvar os elefantes das florestas da África Central precisamos de criar novas áreas protegidas internacionalmente e coordenar a aplicação das leis internacionais para garantir o julgamento de estrangeiros que cometam ou incentivem crimes contra a vida selvagem noutros países", disse o responsável.

John Poulsen lembrou também que estudos que mostram o declínio da população de elefantes não são novos. "Mas uma perda de 78% a 81% numa década, numa das maiores e mais remotas áreas protegidas da África Central, é um aviso de que nenhum lugar é seguro contra caçadores furtivos".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.