Caça ao marfim mata 80% dos elefantes de uma reserva no Gabão

Investigação indica que mais de 25 mil elefantes do Parque Nacional Minkébé podem ter sido mortos por causa do marfim entre 2004 e 2014

A população de elefantes no parque nacional Minkébé, no Gabão, diminuiu entre 78% e 81% nos últimos 10 anos, devido a caçadores furtivos em busca de marfim, segundo um estudo hoje divulgado.

O Parque Nacional Minkébé é uma das maiores reservas da África Central e situa-se no extremo noroeste do Gabão sendo considerado pelo Fundo Mundial de Proteção da Natureza como uma área a precisar de proteção.

"A nossa pesquisa sugere que mais de 25.000 elefantes do Parque Nacional Minkébé podem ter sido mortos por causa do marfim entre 2004 e 2014", disse John Poulsen, professor assistente de ecologia tropical, da Universidade Duke, de Durham, Estados Unidos (Carolina do Norte).

Segundo o responsável, estimando-se que cerca de metade dos 100.000 elefantes da África Central vivam no Gabão, a perda de 25.000 naquele "santuário chave" é considerada um "revés para a preservação da espécie".

Segundo o estudo, ainda que alguns dos caçadores furtivos sejam do Gabão, a caça ilegal praticada por pessoas dos países vizinhos, especialmente dos Camarões, a norte, foi uma das causas para o acentuado declínio do número de animais.

Os investigadores mediram as perdas de população comparando dados de dois levantamentos, em 2004 e 2014, usando métodos de análise dos excrementos (nomeadamente de forma a ter em conta que as chuvas fortes poderiam deteriorar o estrume e distorcer a precisão).

Os investigadores identificaram duas zonas de pressão da caça furtiva. Segundo Poulsen, a morte de elefantes no sul do parque, a 58 quilómetros da principal estrada gabonesa, não foi muito acentuada. "Em comparação, as zonas central e norte do parque, que ficam a cerca de seis quilómetros de uma estrada nacional dos Camarões, foram esvaziadas", disse.

A proximidade da estrada permite aos caçadores furtivos dos Camarões aceder ao parque, matar os elefantes e levar o marfim para a maior cidade do país, Douala, um centro importante de comércio internacional de marfim.

Desde 2011 que o Governo do Gabão tem tomado medidas para conter a caça furtiva no parque Minkébé, nomeadamente colocando guardas no parque e aumentando o orçamento da agência de parques nacionais. Poulsen lembrou também que o Gabão foi a primeira nação africana a queimar todo o marfim apreendido.

No entanto, adiantou, pouco foi feito para travar o tráfico transfronteiriço.

"Para salvar os elefantes das florestas da África Central precisamos de criar novas áreas protegidas internacionalmente e coordenar a aplicação das leis internacionais para garantir o julgamento de estrangeiros que cometam ou incentivem crimes contra a vida selvagem noutros países", disse o responsável.

John Poulsen lembrou também que estudos que mostram o declínio da população de elefantes não são novos. "Mas uma perda de 78% a 81% numa década, numa das maiores e mais remotas áreas protegidas da África Central, é um aviso de que nenhum lugar é seguro contra caçadores furtivos".

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.