Buzinão atravessa a ponte contra portagens em agosto

Promete ser ruidosa a entrada amanhã em Lisboa pela Ponte 25 de abril. Comissão de Utentes promete um buzinão a partir das 08.00 contra o pagamento de portagens

"Não podemos continuar a ser discriminados e vamos buzinar", anuncia Luísa Ramos, da Comissão de Utentes de Transportes da Margem Sul (CUTMS), que marcou a jornada de luta para esta quinta-feira, a partir das 08.00 na ponte do Pragal. Os utentes vão reclamar a reposição da isenção do pagamento da portagem para o mês de agosto, retirado há quatro anos pelo Governo liderado por Pedro Passos Coelho. Porém, o ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, já afastou essa ideia, garantindo à TSF que "o Governo não está a analisar essa possibilidade", alegando que há "constrangimentos orçamentais".

Declarações que caíram mal entre os utentes da ponte no dia em que o ministro anunciou a aplicação de 15% de desconto a todos os veículos que circulem em cinco autoestradas portuguesas. "Acho bem que se beneficie outras regiões, mas nós também queremos", diz José Rodrigues de Sousa, que promete estar amanhã na linha da frente do buzinão, enquanto contabiliza os gastos que implica o pagamento da ponte em agosto no seu orçamento familiar. "Dá um total de 39,10 euros, porque vou trabalhar os 23 dias", revela. Cada vez que passa na ponte com o seu veículo classe 1 tem de pagar 1,70 euros.

"Como é que o Governo pode falar de constrangimentos orçamentais sem olhar para as pessoas que mal ganham para viver?", questiona, justificando assim a sua presença na ponte do Pragal (Almada), de onde vai começar a buzinar sobre Tejo até entrar em Lisboa, como está previsto pela organização do protesto.

Luísa Ramos lamenta que os moradores da Margem Sul, sobretudo nos concelhos de Almada e Seixal, "sejam os únicos portugueses que têm de pagar portagem para passar na ponte sobre o rio", alertando que a notificação enviada há mais de uma semana ao ministro Pedro Marques através de um ofício, onde é pedida a isenção para a travessia da ponte em agosto, continue sem resposta.

Recorde-se que foi a partir de 1995 que os automobilistas passaram a ter "borlas" no mês de agosto, mas em 2011 o Governo de Pedro Passos Coelho acabou com a isenção. As contas do Governo da altura apontavam para uma poupança de 48 milhões até 2019, mas Luísa Ramos acredita que o novo quadro político poderá aliviar os bolsos dos utentes.

"Há muitos anos que defendemos a abolição total da portagem na ponte, mas, para já, parece-nos da mais elementar justiça que se reponha a isenção em agosto", insiste, alegando que cada vez mais os utentes são "obrigados" a utilizar viatura própria, face ao que designa de "degradação do serviço" prestado pelos Transportes Sul do Tejo. "São cortes de carreiras, incumprimentos de horários e frota a cair de podre", denuncia.

Ler mais

Exclusivos