Buscas para encontrar turista na ilha das Flores feitas apenas por terra

Turistas desapareceu no mar, mas agitação marítima obrigou à retirada de embarcação que participava na operação

A tentativa de encontrar uma turista desaparecida na terça-feira no mar na ilha das Flores começaram hoje às 08:00 locais, com a agitação marítima a obrigar à retirada da embarcação envolvida nas buscas, feitas agora apenas por terra.

O capitão do Porto de Santa Cruz das Flores disse à agência Lusa que as buscas começaram às 08:00 (09:00 no continente), com praticamente todo o dispositivo utilizado na quarta-feira, mas "as vagas de cerca de quatro metros e com tendência a crescer" obrigaram à retirada da embarcação envolvida na operação.

"Esta manhã largou a lancha da autoridade marítima sediada nas Lajes das Flores em direção à área das buscas, contudo, fez-se sentir um agravamento do estado do tempo, designadamente do estado do mar, com forte agitação marítima no local, de modo que a embarcação não tinha condições para continuar as buscas ", disse o comandante Rafael da Silva.

Segundo este responsável, as buscas vão ser feitas "apenas via terrestre" junto à orla costeira, com o apoio dos Bombeiros Voluntários das Lajes das Flores e com o apoio da GNR.

"Já não contaremos com o apoio da Força Aérea Portuguesa nas buscas, porque tal também não se justifica, em primeiro lugar atendendo à evolução da operação e, também, ao agravamento do estado do tempo", afirmou.

Apesar do cenário, o comandante Rafael da Silva confirmou que a intenção é manter as buscas ao longo do dia de hoje, fazendo-se posteriormente uma avaliação face "à evolução da situação".

O alerta para o desaparecimento de uma turista estrangeira com cerca de 30 anos, na Fajã Grande, foi dado por um familiar às 15:20 de terça-feira.

"Foi contactado o 112, que informou o Centro de Busca e Salvamento Marítimo de Ponta Delgada. Começámos a deslocar meios e, às 15:45, chegámos à área de busca", disse Rafael da Silva.

Nesse dia, foi empenhada uma embarcação da Autoridade Marítima, mas dado o estado "muito alteroso [do mar] não houve condições" para o trabalho de outras embarcações, adiantou o responsável.

O capitão do porto de Santa Cruz das Flores salientou que este "incidente resulta de um comportamento perigoso, em concreto a entrada no mar quando este se encontrava muito alteroso", com quatro metros de vaga.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.