Burlas. Cuidado com aluguer de casas de férias

Deco alerta para casos em que o imóvel não existe. PSP pede muito cuidado

A Deco e a PSP alertam para os perigos dos arrendamentos de casas de férias, principalmente quando efetuados na internet. Ingride Pereira, jurista do gabinete de apoio ao consumidor da Deco, lembrou ontem que "todos os anos no verão recebemos dezenas de queixas relacionadas com burlas no arrendamento de casas de férias. A internet é um excelente meio de divulgação e marcação das férias, mas devemos ter alguns cuidados sobretudo quando temos de fazer algum pagamento".

A Associação de Defesa do Consumidor tem recebido queixas em que a casa arrendada não existe e a pessoa que fez, e pagou, a reserva perde o dinheiro, ou que a casa não corresponde ao anunciado. Os preços baixos podem ser indicadores de alerta, afirmou a jurista. Em casos de dúvida o consumidor deve pedir dados sobre o imóvel de forma a confirmar se o arrendatário é mesmo o proprietário e o pagamento só deve ser feito após pesquisar se já existem queixas sobre aquele proprietário, ou contactar o condomínio para saber se o anunciante é de facto o dono do imóvel. Deve-se verificar se o titular do pagamento corresponde ao anunciante, e contactá-lo frequentemente para verificar se o telemóvel ainda está ativo, aconselha a Deco.

Também a PSP pede para que a atenção seja reforçada quando se trata de arrendamento online. Esta força de segurança sublinha que em casos de suspeita de que algo não está correto não se deve fazer qualquer pagamento. Aconselha a que se procure anúncios em fontes que confirmem os dados anunciados - como jornais ou empresas de classificados -, que se desconfie de baixos preços ou de falta de informações sobre o anunciante.

São várias as reclamações registadas no Portal da Queixa sobre burlas nos arrendamentos para férias. A maioria diz respeito a aluguer de apartamentos na zona do Algarve, com o interessado a pagar parte do valor. Após o pagamento, os contactos dos proprietários ficam indisponíveis.

Situações como esta estão contadas no Portal da Queixa, um site onde se pode, por exemplo, denunciar casos de burlas. Numa dessas exposições é explicado que o autor da queixa fez "uma reserva via OLX para o aluguer de um apartamento na Praia da Rocha. Paguei a taxa de pré-reserva com a garantia que iria ser enviado um comprovativo, que não foi recebido. Todos os contactos ficaram indisponíveis". Um outro caso refere-se a um aluguer no Algarve. "Entrei em contacto com o anunciante e paguei a reserva. Foi-me informado que iria receber a reserva, o que nunca aconteceu. Tentei várias vezes entrar em contacto com a anunciante e nunca tive resposta. Entrei em contacto com o empreendimento, e foi-me informado de que não tinha nenhuma reserva em meu nome, e já tinham várias queixas idênticas à minha", escreveu o queixoso.

O Relatório de Segurança Interna de 2016 dá conta de que no ano passado houve um registo de 8448 casos de burla informática e nas comunicações - mais 618 casos do que em 2015 -, não especificando casos de burlas com arrendamentos.

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.