Brasil vai operar telescópio russo para monitorizar detritos espaciais

Os responsáveis do projeto estão a terminar a montagem do telescópio no Observatório do Pico dos Dias, em Brazópolis, Minas Gerais

Um observatório ligado ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação do Brasil vai começar a operar, nas próximas semanas, um moderno telescópio cedido pela Rússia, num projeto bilateral que se propõe monitorizar detritos espaciais.

A iniciativa vai permitir que o Brasil localize detritos espaciais e faça uma base de dados sobre a localização e órbita dos diferentes objetos, assim como sobre os riscos de colisão dos mesmos com satélites artificiais e com a Terra.

Os responsáveis do projeto estão a terminar a montagem do telescópio no Observatório do Pico dos Dias, entidade com sede em Brazópolis, município do estado de Minas Gerais (sudeste do Brasil), e que depende do Laboratório Nacional de Astrofísica, informou o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação no seu portal da internet.

"A previsão é que podemos realizar uma primeira observação em finais de fevereiro. Toda a mecânica e ótica do telescópio está listada e agora vamos iniciar os trabalhos de montagem da parte eletrónica de controlo e de dados", afirmou o diretor do Laboratório Nacional de Astrofísica, Bruno Castilho, citado na publicação do ministério.

O Observatório do Pico dos Dias, a 1.864 metros de altitude e que conta com outros quatro telescópios para a investigação em astronomia, foi elogiado pela Agência Espacial Russa (Roscosmos) entre outros do hemisfério sul devido a que, pela sua posição geográfica, captará imagens complementares às observadas desde a Rússia.

O projeto é uma associação entre o Laboratório de Astrofísica e a Roscosmos, que contribuiu com 2,9 milhões de euros, entre os quais se inclui o custo do telescópio, que começou a ser montado no Brasil em novembro passado.

A instalação do telescópio incluirá o Brasil entre os membros do projeto Panoramic Electro-Opical System for Space Debris Detection (PanEOS), que se propõe a criar de uma rede de observatórios na Rússia e países vizinhos para a vigilância dos detritos espaciais.

As imagens do telescópio vão ser transmitidas pela internet nas bases da Roscosmos, na Rússia, e estarão à disposição de investigadores brasileiros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.