Bombeiros exigem medidas urgentes para reduzir sinistralidade

A Liga dos Bombeiros Portugueses já define esta via como "a estrada da morte" pelo grande número de acidentes ocorridos neste local

A Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP) reclamou esta terça-feira "medidas urgentes e concretas" para reduzir os níveis de sinistralidade rodoviária no Itinerário Principal 3 (IP3), entre Coimbra e Viseu.

A LBP, presidida por Jaime Soares, exige, em comunicado, medidas "que permitam diminuir, senão anular, os índices de sinistralidade que se mantêm lamentavelmente e há muito tempo" no IP3, onde mais um acidente, registado na segunda-feira, entre Santa Comba Dão e Tondela, originou um morto e seis feridos.

Ao denunciar "a situação insustentável vivida no IP3", a Liga dos Bombeiros Portugueses define esta via como "estrada da morte", face à dimensão da sinistralidade.

Os corpos de bombeiros que prestam socorro ao longo deste itinerário concluem "só ser possível diminuir a sinistralidade com o necessário investimento na própria via e nas condições de circulação", segundo a mesma organização.

"Os utentes do IP3 e as populações locais (...) merecem muito mais do que está feito e ao Estado cabe a responsabilidade de garantir isso", sublinha.

A LBP promete "denunciar a situação até que se altere aquele estado de coisas, bem comparável também ao que ocorre diariamente na EN 125, no Algarve, e saúda os bombeiros que, perante tanta adversidade, continuam a lutar denodadamente" na prestação de socorro às vítimas dos acidentes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."