Bombeiros exigem medidas urgentes para reduzir sinistralidade

A Liga dos Bombeiros Portugueses já define esta via como "a estrada da morte" pelo grande número de acidentes ocorridos neste local

A Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP) reclamou esta terça-feira "medidas urgentes e concretas" para reduzir os níveis de sinistralidade rodoviária no Itinerário Principal 3 (IP3), entre Coimbra e Viseu.

A LBP, presidida por Jaime Soares, exige, em comunicado, medidas "que permitam diminuir, senão anular, os índices de sinistralidade que se mantêm lamentavelmente e há muito tempo" no IP3, onde mais um acidente, registado na segunda-feira, entre Santa Comba Dão e Tondela, originou um morto e seis feridos.

Ao denunciar "a situação insustentável vivida no IP3", a Liga dos Bombeiros Portugueses define esta via como "estrada da morte", face à dimensão da sinistralidade.

Os corpos de bombeiros que prestam socorro ao longo deste itinerário concluem "só ser possível diminuir a sinistralidade com o necessário investimento na própria via e nas condições de circulação", segundo a mesma organização.

"Os utentes do IP3 e as populações locais (...) merecem muito mais do que está feito e ao Estado cabe a responsabilidade de garantir isso", sublinha.

A LBP promete "denunciar a situação até que se altere aquele estado de coisas, bem comparável também ao que ocorre diariamente na EN 125, no Algarve, e saúda os bombeiros que, perante tanta adversidade, continuam a lutar denodadamente" na prestação de socorro às vítimas dos acidentes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.