Bombeiros exigem medidas urgentes para reduzir sinistralidade

A Liga dos Bombeiros Portugueses já define esta via como "a estrada da morte" pelo grande número de acidentes ocorridos neste local

A Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP) reclamou esta terça-feira "medidas urgentes e concretas" para reduzir os níveis de sinistralidade rodoviária no Itinerário Principal 3 (IP3), entre Coimbra e Viseu.

A LBP, presidida por Jaime Soares, exige, em comunicado, medidas "que permitam diminuir, senão anular, os índices de sinistralidade que se mantêm lamentavelmente e há muito tempo" no IP3, onde mais um acidente, registado na segunda-feira, entre Santa Comba Dão e Tondela, originou um morto e seis feridos.

Ao denunciar "a situação insustentável vivida no IP3", a Liga dos Bombeiros Portugueses define esta via como "estrada da morte", face à dimensão da sinistralidade.

Os corpos de bombeiros que prestam socorro ao longo deste itinerário concluem "só ser possível diminuir a sinistralidade com o necessário investimento na própria via e nas condições de circulação", segundo a mesma organização.

"Os utentes do IP3 e as populações locais (...) merecem muito mais do que está feito e ao Estado cabe a responsabilidade de garantir isso", sublinha.

A LBP promete "denunciar a situação até que se altere aquele estado de coisas, bem comparável também ao que ocorre diariamente na EN 125, no Algarve, e saúda os bombeiros que, perante tanta adversidade, continuam a lutar denodadamente" na prestação de socorro às vítimas dos acidentes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

"Petróleo, não!" Nesta semana já estivemos perto

1. Uma coisa é termos uma vaga ideia de quão estupidamente dependemos dos combustíveis fósseis. Outra, vivê-la em concreto. Obrigado aos grevistas. A memória perdida sobre o "petróleo" voltou. Ficou a nu que temos de fugir dos senhores feudais do Médio Oriente, das oligopolísticas, campanhas energéticas com preços afinados ao milésimo de euro e, finalmente, deste tipo de sindicatos e associações patronais com um poder absolutamente desproporcionado.