Bial e Estado assinam contrato de 37 milhões para investigação

Objetivo é investir no desenvolvimento científico nas áreas dos sistemas nervoso central e cardiovascular, na empresa

A farmacêutica portuguesa Bial e o Estado português assinam hoje, na Trofa, Porto, um contrato de investimento no valor de 37,4 milhões para investigação científica nas áreas dos sistemas nervoso central e cardiovascular, informou a Bial.

O contrato de investimento da Bial com o Estado estende-se até 2018 e vem na sequência do Governo ter aprovado benefícios fiscais para investimentos industriais aprovados em Conselho de Ministros em dezembro passado.

A recepção está marcada para as 10:15 de hoje, com uma visita ao Centro de investigação e desenvolvimento da Trofa marcada para arrancar pelas 10:30, e conta com a presença do primeiro-ministro, António Costa, disse à agência Lusa fonte da farmacêutica portuguesa.

"Os investimentos agora contratados destinam-se a incrementar a investigação e desenvolvimento da empresa nas áreas dos sistemas nervoso central e cardiovascular", lê-se num comunicado enviado à Lusa.

No centro de I&D da Trofa estão cerca de 100 investigadores de nove nacionalidades a estudar e investigar novas soluções de tratamento naquelas duas áreas.

A farmacêutica Bial desenvolve uma atividade de investigação, tendo sintetizado 12 mil moléculas nos últimos 25 anos e patenteado mais de 1300 marcas. A Bial detém os únicos medicamentos desenvolvidos em Portugal e estão em comercialização em dezenas de países.

O primeiro medicamento da empresa, um antiepilético -- Zebinix --, está hoje aprovado em 43 países, e é já comercializado em diversos países europeus e nos EUA.
O segundo medicamento de investigação da Bial, para o tratamento da Doença de Parkinson -- Ongentys --, está à venda no Reino Unido e na Alemanha, estimando-se que seja introduzido nos restantes países europeus ao longo deste ano, informa a empresa.

A cerimónia da assinatura do contrato de investimento entre a Bial e a entidade empresarial do Estado Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP), surge no âmbito do sistema de incentivos à investigação e desenvolvimento do PT 2020 - fundos comunitários destinados a Portugal até 2020 - e conta com as intervenções do primeiro-ministro e do diretor executivo da Bial.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.