Bebé morreu porque pais "se esqueceram onde o puseram" após beberem

O bebé de um mês foi encontrado entre a parede e uma cama. Os pais chegaram a ser detidos mas não vão ser julgados

Os pais de um bebé de um mês que morreu em casa não vão ser julgados, anunciou o serviço britânico de proteção infantil, por se concluir que não havia provas suficientes. O caso remonta ao dia depois do natal em 2014, quando o bebé foi encontrado entre a cama e a parede do quarto do irmão mais velho, tendo sido declarado morto à chegada ao hospital.

Os pais da criança, residentes em Blackpool, no Reino Unido, chegaram a ser detidos e acusados de homicídio por negligência, mas as acusações foram abandonadas quando o serviço de proteção infantil concluiu não ter provas suficientes para os julgar.

Media britânicos como o The Sun e o The Mirror escrevem que os pais "se esqueceram onde tinham posto" o bebé após terem passado um dia inteiro a beber. Uma revisão do caso por parte dos serviços de proteção de crianças terá revelado que os pais tinham estado a beber com os amigos em casa no dia de Natal. A última vez que um deles se lembrava de cuidar da criança era por volta das seis da madrugada do dia 26 de dezembro.

Os pais acordaram por volta do meio-dia com o chorar do filho mais velho, que tinha tirado a fralda suja sozinho. Quando não conseguiram encontrar o filho mais novo, os pais procuraram em toda a casa até encontrarem o bebé de um mês entre a parede e a cama do quarto do irmão. Nenhum dos pais soube explicar como ele lá tinha ido parar. Quando chegou ao hospital, o bebé foi declarado morto. O pai da criança terá admitido ser alcoólico, acrescentam os tabloides britânicos.

No relatório dos serviços de proteção de crianças lê-se, cita o The Mirror: "Concluímos, após consultar os agentes de polícia que realizaram a investigação, que não existem provas suficientes para acusar" qualquer um dos pais de homicídio por negligência.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

"Petróleo, não!" Nesta semana já estivemos perto

1. Uma coisa é termos uma vaga ideia de quão estupidamente dependemos dos combustíveis fósseis. Outra, vivê-la em concreto. Obrigado aos grevistas. A memória perdida sobre o "petróleo" voltou. Ficou a nu que temos de fugir dos senhores feudais do Médio Oriente, das oligopolísticas, campanhas energéticas com preços afinados ao milésimo de euro e, finalmente, deste tipo de sindicatos e associações patronais com um poder absolutamente desproporcionado.