Ciberataque: BCP assegura que situação está a normalizar

Banco garantiu que as dificuldades que os clientes sentiram se deveram a medidas de prevenção face ao ciberataque internacional

O BCP disse hoje que está a ser normalizada a sua operação, depois de alguns clientes se terem queixado de problemas na realização de operações, na sequência de medidas preventivas tomadas pelo banco para evitar um ataque informático.

"A situação está a voltar a normalizar, pode ainda haver algumas disrupções pontuais", afirmou à Lusa fonte oficial.

O banco garantiu que não foi afetado pelo ciberataque que hoje se desenrola à escala internacional e que as dificuldades que os clientes sentiram se deveram a medidas de prevenção tomadas pela instituição.

A Lusa contactou o BCP após vários clientes do banco terem referido dificuldades em realizar operações bancárias, nomeadamente através de cartões.

Quanto a outras instituições financeiras, a Caixa Geral de Depósitos disse que não foi afetada e que as medidas de cautela não provocaram problemas nas operações dos clientes.

BPI e Novo Banco ainda não adiantaram informação, mas não há relatos de queixas de clientes.

Fonte oficial do Santander Totta já tinha dito à Lusa que não foi afetado, tal como não foi o banco Santander em Espanha, após notícias de davam conta de um ataque.

A Lusa contactou ainda a SIBS, gestora da rede multibanco, tendo dito fonte oficial que os sistemas estão a funcionar normalmente, sem qualquer vulnerabilidade, não tendo havido qualquer ataque.

A Polícia Judiciária já disse hoje que está a acompanhar e a tentar perceber o alcance de um ataque informático internacional que tem como alvo empresas.

A Portugal Telecom, que alertou hoje os seus clientes para o vírus perigoso a circular na Internet e que pediu para que tenham cautela na navegação na rede e na abertura de anexos recebidos por correio eletrónico, já indicou que ativou todos os planos de segurança.

No entanto, disse, a rede e os serviços prestados pela Meo não foram afetados.

Já a EDP indicou que decidiu cortar os acessos à Internet da sua rede para prevenir o ataque informático.

A empresa acrescentou, entretanto, que estão a funcionar normalmente todos os sistemas que conduzem a rede elétrica e que também continuam em funcionamento normal os sistemas de 'contact center' e de reparação de avarias.

A multinacional espanhola de telecomunicações Telefónica foi hoje obrigada a desligar os computadores da sua sede em Madrid, depois de detetar um vírus informático que bloqueou alguns equipamentos.

A imprensa espanhola noticiou que o vírus desconhecido provocou a paragem dos computadores afetados, ficando o monitor azul e tendo aparecido em alguns equipamentos uma mensagem a pedir o pagamento de uma quantia em 'bitcoins', uma moeda virtual desenvolvida fora do controlo de qualquer Governo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.