Bastonário diz que morreu "um dos últimos grandes príncipes da medicina"

José Manuel Silva manifestou "grande pesar e grande luto" pela morte de João Lobo Antunes

O bastonário da Ordem dos Médicos, José Manuel Silva, considerou esta quinta-feira que, com a morte de João Lobo Antunes, desaparece "um dos últimos grandes príncipes" da medicina portuguesa.

"Prestigiou a classe, não apenas na medicina, mas na literatura e na cidadania", afirmou o médico, manifestando "grande pesar e grande luto" pela morte do neurocirurgião João Lobo Antunes.

O bastonário afirmou que teve oportunidade de conviver nos últimos anos com Lobo Antunes, no Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida, manifestando um sentimento de "grande tristeza" pela morte do médico.

"Era uma pessoa de uma grande intelectualidade, um grande exemplo", frisou.

O neurocirurgião João Lobo Antunes morreu esta quinta-feira, aos 72 anos, revelou à agência Lusa fonte do Ministério da Saúde.

João Lobo Antunes era atualmente presidente do Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.