Bancária burla médico durante anos e fica-lhe com um milhão de euros

Cliente ficou com apenas 900 euros na conta

A Polícia Judiciária anunciou esta quinta-feira a detenção, em Setúbal, de um homem e uma mulher por suspeitas da prática dos crimes de burla qualificada e falsificação de documentos.

De acordo com um comunicado desta força policial, o casal ter-se-á apropriado de cerca de um milhão de euros desde 2004. "Os detidos recorreram de diversos subterfúgios e de falsificação de documentos para convencerem a vítima a entregar-lhes as suas poupanças, com a promessa de realização de investimentos de elevada rentabilidade", diz a nota de imprensa da PJ.

Segundo avança hoje o Correio da Manhã, o burlado é um médico reformado de 70 anos que terá ficado apenas com 900 euros no banco. A bancária, de 54 anos, e o marido, de 52, foram ontem presentes a tribunal primeiro interrogatório judicial, tendo saído em liberdade com cauções de 100 mil euros cada um, diz o jornal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.