Baixa de Lisboa com esplanadas novas e mais iguais

Objetivo é dar "mais coerência" ao mobiliário que povoa espaços públicos

Se as esplanadas da Baixa começarem a parecer todas iguais, não é coincidência. Trata-se do resultado de um concurso de ideias promovido pela junta de freguesia para dar "mais coerência" a estes espaços que ocupam as ruas. O resultado foi ontem apresentado na Pastelaria Néné e o presidente da Junta de Freguesia de Santa Maria Maior, Miguel Coelho, acredita que no verão "já teremos um número significativo de esplanadas novas".

A proposta vencedora foi escolhida por um júri nomeado pelo MUDE (Museu do Design e da Moda) e propõe que os cafés e restaurantes da baixa possam escolher as mesas, cadeiras, chapéus-de-sol, suportes de menu, aquecimento e corta-ventos de acordo com um número limitado de modelos e cores. As cores base são o preto e o branco, da calçada portuguesa, a que se juntou o cinza. O projeto de Pedro Sottomayor juntou ainda mais três cores (azul, vermelho e verde).

"A remodelação surgiu na constatação feita por nós no executivo e por todas as pessoas de que as esplanadas estavam muito desordenadas, algumas com pouco cuidado. E como temos competência no licenciamento, decidimos que esta ia ser uma das proposta do programa eleitoral decidimos tentar dar coerência a todo este mobiliário urbano", explica Miguel Coelho. O concurso de ideias foi lançado em 2015. Como o licenciamento das esplanadas tem de ser feito todos os anos, as novas licenças vão incluir já a obrigatoriedade de terem este mobiliário, pelo que toda a Baixa deve ter esta nova cara dentro de um ano.

O projeto prevê zonas de esplanada com guarda-ventos e toldos, outra só com toldos e ainda uma terceira de esplanadas com chapéus-de-sol. É ainda proposto que na Rua Augusta existam apenas espaços abertos, desde que contíguos às fachadas. Na Rua dos Correeiro os corta-ventos serão obrigatórios.

Nos três meses de inverno, as esplanadas podem ter corta-ventos e aquecimento de forma a "criar um maior resguardo" das mesmas. No resto do ano será usado o modelo de verão do mobiliário.

Presente na inauguração das novas esplanadas, o presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, defendeu que "este mobiliário permite uma solução de proteção maior para que as esplanadas possam ser mais vividas e mais utilizadas durante todo o ano o que traduz em ganhos para a economia da cidade mas também para o do utilizador". À zona da Baixa vão seguir-se outras com novas esplanada em linha com a arquitetura e urbanismo. Fernando Medina anunciou que as Avenidas Novas vão ser o próximo local.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).