Bacalhau 500 milhões já está a caminho de Portugal e chega em julho

Portugal importa bacalhau da Noruega há pelo menos setenta anos e só ano passado comprou 24.848.155 quilos de bacalhau

O bacalhau faz parte da História portuguesa, pelo menos desde o século XIV, mas foi só em 1946, um ano depois do final da II Guerra Mundial, que se retomaram os registos e as exportações do "fiel amigo" para Portugal.

Setenta anos depois, a cidade norueguesa de Bergen assinala hoje, de forma simbólica, o embarque do bacalhau 500 milhões no veleiro Statsraad Lehmkhul.

A chegada a Lisboa está marcada para 22 de julho, a tempo de participar nas Tall Ship Races, o maior evento náutico deste ano em Portugal, que traz à capital grandes veleiros de todo o mundo.

Segundo informações do Conselho Norueguês das Pescas (Norge), existem registos relativos ao bacalhau exportado desde 1830, ano em que os noruegueses venderam a Portugal oito mil toneladas deste peixe, mas o comércio foi praticamente interrompido durante a II Guerra Mundial, quando a Noruega foi invadida pela Alemanha.

Só em 1946 foram retomadas as estatísticas, que permitiram à Norge contabilizar a venda de 508.399.822 bacalhaus a Portugal (com base num rácio entre a tonelagem e o peso médio do peixes) até maio de 2016.

A apetência dos portugueses pelo bacalhau é, no entanto, muito anterior aos registos estatísticos, como provam os dados históricos.

O primeiro acordo dos portugueses para pescar bacalhau (na costa britânica) data do século XIV. Nos séculos seguintes, os pescadores buscaram a Terra Nova (Canadá), desenvolveram um método de cura único e voltaram-se já no século XX para os mares frios do Norte da Europa, quando os cardumes da Terra Nova estavam já esgotados.

O bacalhau mantém a sua importância secular na economia nacional até hoje, estimando-se que o seu consumo represente cerca de 200 milhões de euros de receitas anuais para os operadores portugueses de transformação e comercialização de bacalhau.

Na gastronomia, continua a ser apreciado pela sua versatilidade, traduzida em inúmeras receitas, e presença incontornável na mesa de Consoada, um pouco por todo o país e entre as comunidades de emigrantes em todo o mundo.

No ano passado, Portugal importou da Noruega 24.848.155 quilos de bacalhau, o que significa um consumo médio de 2,4 quilos por pessoa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.