Bacalhau 500 milhões já está a caminho de Portugal e chega em julho

Portugal importa bacalhau da Noruega há pelo menos setenta anos e só ano passado comprou 24.848.155 quilos de bacalhau

O bacalhau faz parte da História portuguesa, pelo menos desde o século XIV, mas foi só em 1946, um ano depois do final da II Guerra Mundial, que se retomaram os registos e as exportações do "fiel amigo" para Portugal.

Setenta anos depois, a cidade norueguesa de Bergen assinala hoje, de forma simbólica, o embarque do bacalhau 500 milhões no veleiro Statsraad Lehmkhul.

A chegada a Lisboa está marcada para 22 de julho, a tempo de participar nas Tall Ship Races, o maior evento náutico deste ano em Portugal, que traz à capital grandes veleiros de todo o mundo.

Segundo informações do Conselho Norueguês das Pescas (Norge), existem registos relativos ao bacalhau exportado desde 1830, ano em que os noruegueses venderam a Portugal oito mil toneladas deste peixe, mas o comércio foi praticamente interrompido durante a II Guerra Mundial, quando a Noruega foi invadida pela Alemanha.

Só em 1946 foram retomadas as estatísticas, que permitiram à Norge contabilizar a venda de 508.399.822 bacalhaus a Portugal (com base num rácio entre a tonelagem e o peso médio do peixes) até maio de 2016.

A apetência dos portugueses pelo bacalhau é, no entanto, muito anterior aos registos estatísticos, como provam os dados históricos.

O primeiro acordo dos portugueses para pescar bacalhau (na costa britânica) data do século XIV. Nos séculos seguintes, os pescadores buscaram a Terra Nova (Canadá), desenvolveram um método de cura único e voltaram-se já no século XX para os mares frios do Norte da Europa, quando os cardumes da Terra Nova estavam já esgotados.

O bacalhau mantém a sua importância secular na economia nacional até hoje, estimando-se que o seu consumo represente cerca de 200 milhões de euros de receitas anuais para os operadores portugueses de transformação e comercialização de bacalhau.

Na gastronomia, continua a ser apreciado pela sua versatilidade, traduzida em inúmeras receitas, e presença incontornável na mesa de Consoada, um pouco por todo o país e entre as comunidades de emigrantes em todo o mundo.

No ano passado, Portugal importou da Noruega 24.848.155 quilos de bacalhau, o que significa um consumo médio de 2,4 quilos por pessoa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.