Discussão a bordo desvia avião da British Airways para as Lajes

Casal queria queria passar para a classe executiva e não se calou. Agora ficou na ilha Terceira para prestar declarações à polícia

Um avião da companhia aérea British Airways divergiu hoje para o aeroporto das Lajes, na ilha Terceira, nos Açores, devido a uma discussão a bordo entre um casal de passageiros e a tripulação, informou hoje a Força Aérea Portuguesa.

"Tratou-se de uma discussão entre um casal e a tripulação que viajavam em classe económica e queria passar para a executiva. A situação motivou a aterragem do avião nas Lajes", adiantou à agência Lusa o porta-voz da Força Aérea, Tenente-coronel Costa, acrescentando que a situação terá sido filmada por telemóvel por um dos membros do casal.

De acordo com o Tenente-coronel Costa, não se tratou de nenhuma situação de emergência, mas sim de segurança a bordo.

"O casal britânico vai ficar na ilha Terceira para prestar declarações à PSP, sendo que o avião deve estar prestes a descolar da pista das Lajes", garantiu o responsável, sem adiantar qual a origem e destino final da aeronave da Britihh Airways.

Fonte ligada ao setor da aviação explicou à Lusa tratar-se de um Boeing 777 que tinha descolado do aeroporto de Gatwick, em Londres, com destino à Jamaica.

A mesma fonte acrescentou que o avião se encontrava ainda na zona de controlo de Santa Maria, Açores, quando o piloto decidiu voltar para trás e aterrar na base aérea das Lajes.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.