Acidente em França. Polícia diz que carrinha era de 6 lugares e está a investigar transporte

Doze portugueses morreram esta noite num acidente em França, a caminho de Portugal. Apenas o condutor, de 19 anos, sobreviveu

O procurador público de Moulins afirmou esta sexta-feira que as autoridades vão averiguar se a carrinha envolvida no acidente ocorrido na quinta-feira à noite perto de Lyon, França, tinha condições para transportar 13 pessoas. Segundo a polícia, a carrinha era de seis lugares.

"Temos de ver se a carrinha estava equipada para transportar 13 pessoas", indicou o procurador de Moulins, numa conferência de imprensa, citado pelo jornal local La Montagne.

Doze emigrantes portugueses morreram no acidente, que ocorreu por volta das 23:45 na estrada nacional 79, perto de Lyon, na localidade de Moulins. Apenas o condutor, um jovem de 19 anos, sobreviveu. Segundo informação dada pelo presidente da câmara de Trancoso, na SIC, o jovem é sobrinho do proprietário da carrinha, de uma família da região, e com a carrinha acidentada vinha outra, também com emigrantes oriundos da Suíça, que chegou a Portugal sem problemas.

O jovem, que foi levado em estado de choque para o hospital, ainda não foi ouvido pela polícia. O autarca adiantou que o dono da carrinha continua em França, estando a acompanhar o sobrinho no hospital.

O veículo em que seguiam os portugueses saiu da Suíça por volta das 21:00 de quinta-feira e teria como destino a Portugal. A carrinha desviou-se para a faixa contrária e colidiu de frente com o camião.

Fernando Rocha, um português que mora em Romont e conhecia duas das vítimas, explicou à Lusa que é comum os emigrantes portugueses utilizarem este meio de transporte para deslocarem-se da Suíça para Portugal. "Se você for pagar agora um bilhete de avião para Portugal vai pagar uma fortuna em tempo de festas (Páscoa). As pessoas procuram esses meios (carrinhas, minibus) porque fica mais barato financeiramente", disse o português.

"Hoje cedo, depois de sabermos das notícias, todos comentavam que aquela estrada é realmente muito perigosa, a estrada da morte", acrescentou Rocha, indicando que a comunidade portuguesa costuma reunir-se no Centro Português de Romont.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.