Autoridades desmantelam casino ilegal

Armazéns na Varziela, em Vila do Conde, escondiam 14 mesas de jogo. Vários cidadãos chineses foram identificados

As suspeitas sempre foram comentadas em Vila do Conde: existiriam casinos ilegais a funcionar na Zona Industrial da Varziela, onde grande parte dos armazéns está ocupada por comerciantes chineses. Na madrugada de sábado, a GNR do Porto desmantelou um casino ilegal e constituiu arguida uma mulher de 52 anos pela prática de jogo ilegal, lenocínio e auxílio à imigração ilegal.

Na operação, os militares apreenderam 14 mesas com máquinas eletrónicas de jogo, o mahjong, uma espécie de dominó chinês, 6320 euros em dinheiro, uma máquina de contar notas e uma arma de ar comprimido, explicou a GNR em comunicado.

Foram identificadas mais 22 pessoas, todas da comunidade chinesa, com cinco delas a serem apanhadas em flagrante delito a jogar, enquanto outras três estavam em situação ilegal no país. Duas foram notificadas para comparecer no Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), enquanto a terceira está em processo de extradição do território nacional. Além do SEF, a operação contou com participação da ASAE, da Autoridade Tributária e da Inspeção-Geral de Jogos.

"Já havia uma investigação em curso e de facto tem havido informações sobre a existência deste tipo de situações naquela zona. Avançamos para duas buscas domiciliárias, mas acabaram por ser efetuadas cinco buscas, algumas em armazéns", explicou ao DN o tenente-coronel Silva Ferreira, relações-públicas do Comando do Porto da GNR, adiantando que a partir da comunidade chinesa não é muito normal haver denúncias.

O oficial da GNR avisa que também não se pode considerar a zona da Varziela como uma área de criminalidade organizada. "É preciso enquadrar a situação, as comunidades imigrantes, seja em que país for, têm tendência a fechar-se. De resto, a GNR tem já protocolos com a comunidade chinesa e temos mesmo alguns militares a aprender mandarim para facilitar a comunicação."

Na Zona Industrial da Varziela há cerca de 200 armazéns ou lojas de comerciantes da China. Nesta área de Vila do Conde vivem mais de 1500 chineses. Muitos são conhecidos por circularem em automóveis de luxo e exibirem sempre grandes quantias em dinheiro, quase tudo é pago em notas. As ações das autoridades não são novas, seja por jogo ilegal ou situações até mais graves como extorsão, com casos já de sinalização de organizações da máfia chinesa.

Em 2012, numa operação da Polícia Judiciária, foram detidas dez pessoas em armazéns da mesma zona industrial por suspeitas de associação criminosa, exploração ilícita de jogo, extorsão e lenocínio. O esquema ilegal encontrado era em tudo semelhante, com várias máquinas de jogo de mahjong a serem apreendidas pelos investigadores. Dois dos detidos estavam também em situação ilegal no país.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.