Autoridades algarvias alertam para correntes que podem ser fatais

Nem um campeão olímpico de natação conseguiria vencer um agueiro, sublinha comandante da capitania dos portos de Tavira e Vila Real de Santo António

A Autoridade Marítima do Sul alertou hoje os banhistas para o perigo dos agueiros, numa altura em que as praias algarvias estão cheias, sublinhando que 80% dos afogamentos no mundo são motivados por estas correntes de retorno.

"O mais importante é aperceber-se de que está num agueiro, não tentar lutar contra a corrente, manter a calma e pedir ajuda", explicou o chefe do departamento marítimo do Sul, Paulo Isabel, em conferência de imprensa, em Faro, acrescentando que, perante esta situação, o banhista deve divergir para os lados, nadando paralelamente à costa, ou deixar-se ir pela corrente.

A 10 de junho, um adolescente de 16 anos morreu afogado junto a um agueiro, perto do molhe pequeno de Vila Real de Santo António, na praia dos Três Pauzinhos, a única praia da área daquela capitania cuja concessão não tinha aberto logo no início da época balnear, a 01 de junho, não estando, por isso, vigiada.

"Se as pessoas se deixarem ir [pela corrente] não há perigo nenhum", esclareceu Paulo Isabel, avisando que as zonas junto aos molhes, onde normalmente há agueiros fixos, "não são zonas seguras para banhos" e é normalmente aí que se registam mais incidentes deste tipo, uma vez que em praias amplas "essas situações não acontecem".

Segundo Pedro Fernandes da Palma, comandante da capitania dos portos de Tavira e Vila Real de Santo António e especializado em Hidrografia, por desconhecimento os banhistas escolhem "erradamente" as zonas onde se formam agueiros para nadar no mar, uma vez que não há rebentação, transmitindo uma falsa sensação de segurança.

Segundo o responsável, a formação de agueiros é potenciada pela ondulação forte e é mais frequente junto a molhes, esporões e zonas rochosas.

Estas zonas podem ser identificadas por não haver rebentação, pela cor acastanhada da água (devido ao arrastamento de sedimentos) e por apresentarem pequenas irregularidades na superfície do mar.

"Mesmo um campeão olímpico de natação nunca conseguiria vencer um agueiro", observou Pedro Fernandes da Palma, salientando que um agueiro "facilmente atinge os dois metros por segundo" e que se pode prolongar entre 30 e 150 metros da costa.

O chefe do departamento marítimo do Sul indicou que osagueiros "não são mais do que rios interiores no mar", formados por desníveis, o que faz com que a água "tenha que sair de alguma forma, arrastando as pessoas", embora apenas à superfície.

A formação de agueiros é mais comum em situações de sueste, ou levante, caracterizado por ventos de Leste, que provocam maior ondulação e agitação marítima e empurram a água quente do Mediterrâneo para o oceano Atlântico.

Neste verão, o sueste tem sido muito frequente no Algarve, levando a vários casos de resgate de banhistas, embora, segundo Paulo Isabel, não tenham sido registados mais casos de incidentes devido a agueiros, comparativamente a outros anos.

Nesta época balnear, as autoridades levantaram nas praias algarvias seis autos por desrespeito às instruções dos nadadores salvadores, três na capitania dos portos de Tavira e Vila Real de Santo António, dois em Olhão e um em Portimão.

O incumprimento de sinais informativos, bandeiras, placas, boias, editais de praia ou instruções de nadadores salvadores é punível com coimas que podem ir dos 55 aos 550 euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Alemanha

Lar de Dresden combate demência ao estilo Adeus, Lenin!

Uma moto, numa sala de cinema, num lar de idosos, ajudou a projetar memórias esquecidas. O AlexA, na cidade de Dresden, no leste da Alemanha, tem duas salas dedicadas às recordações da RDA. Dos móveis aos produtos de supermercado, tudo recuperado de uma Alemanha que deixou de existir com a queda do Muro de Berlim. Uma viagem no tempo para ajudar os pacientes com demências.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.