Autópsias das três mulheres encontradas em Tires realiza-se terça-feira

Exames envolverão a utilização de recursos radiológicos

As autópsias das três mulheres encontradas mortas na sexta-feira em Tires, Cascais, realizam-se na terça-feira, disse hoje à agência Lusa o assessor do Instituto Nacional de Medicina Legal e Ciências Forenses (INMLCF).

A ordem do Ministério Público para a realização das autópsias chegou hoje de manhã à delegação do Sul do Instituto, em Lisboa, e dada a complexidade das mesmas, que envolverão a utilização de recursos radiológicos, só se realizarão na terça-feira, acrescentou Mário Martins.

Os corpos das três mulheres, alegadamente de três brasileiras desaparecidas desde fevereiro, foram encontrados na sexta-feira à tarde num poço de um hotel para animais em Tires, Cascais, e chegaram à delegação de Lisboa do INMLCF depois das 18:00 de sexta-feira.

Hoje de manhã os peritos do Instituto estiveram a avaliar o estado dos cadáveres para determinar quais os peritos e que tipo de exames era necessário fazer para os identificar, indicou.

Na altura da descoberta dos corpos, o comandante dos Bombeiros da Parede, Pedro Araújo, disse à Lusa tratar-se dos corpos de três jovens brasileiras -- as irmãs Michelle e Lidiana Santana, de 28 e 16 anos, respetivamente, e uma amiga destas, Thayane Mendes, de 21 -- desaparecidas desde fevereiro.

Dinai Alves Gomes, um jovem brasileiro com quem Michelle mantinha uma relação conjugal, e que chegou a trabalhar no hotel de animais onde os corpos das jovens foram encontrados, é o principal suspeito da morte das três jovens.

Em abril último, as equipas de investigação estiveram na zona do hotel para animais Monte dos Vendavais a procurar as jovens, uma vez que o principal suspeito do crime, o namorado da rapariga grávida, trabalhava na zona.

Dinai Gomes fugiu, entretanto, para o Brasil onde, segundo a imprensa, estará sob vigilância da Polícia Federal em Novo Cruzeiro, no estado de Minas Gerais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.