Autocarros turísticos proibidos de estacionar nos Jerónimos

Podem deixar e apanhar passageiros, mas não poderão ficar estacionados

Os autocarros turísticos vão deixar de poder estar estacionados em frente ao Mosteiro dos Jerónimos, em Belém, Lisboa. Podem deixar e apanhar turistas, mas a Câmara de Lisboa quer que, antes do verão, os veículos deixem de parar em frente ao monumento, refere o Público esta quinta-feira.

O objetivo será melhorar a circulação em Belém e reduzir a "pressão turística", anunciou o vereador do Urbanismo da câmara lisboeta, Manuel Salgado, na reunião descentralizada do município.

De acordo com a mesma publicação, o vereador disse, diante os cidadãos da Ajuda, Alcântara e Belém, que está nos planos do município intervir na Rua de Belém e no Largo dos Mosteiros.

Outro dos temas fortes da reunião foi a Carris. Fernando Menina, autarca da capital, concordou com as queixas dos munícipes no que toca à quebra na qualidade dos serviços. Principalmente na zona da Ajuda, existe a necessidade de reforçar o número de carreiras.

Há três meses que a Carris foi municipalizada e foi criada uma aplicação que informa sobre o serviço, atrasos e demais informações oportunas, para credibilizar novamente a empresa.

A requalificação da linha de comboio que liga Lisboa a Cascais, a possibilidade de ligar Belém nos caminhos ferroviários que ligam algumas estações como Campolide, Entrecampos, Sete Rios e Orientes, foram outros dos temas abordados na reunião, assim como as obras de requalificação em Alcântara e na Ajuda.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...