Autocarros turísticos proibidos de estacionar nos Jerónimos

Podem deixar e apanhar passageiros, mas não poderão ficar estacionados

Os autocarros turísticos vão deixar de poder estar estacionados em frente ao Mosteiro dos Jerónimos, em Belém, Lisboa. Podem deixar e apanhar turistas, mas a Câmara de Lisboa quer que, antes do verão, os veículos deixem de parar em frente ao monumento, refere o Público esta quinta-feira.

O objetivo será melhorar a circulação em Belém e reduzir a "pressão turística", anunciou o vereador do Urbanismo da câmara lisboeta, Manuel Salgado, na reunião descentralizada do município.

De acordo com a mesma publicação, o vereador disse, diante os cidadãos da Ajuda, Alcântara e Belém, que está nos planos do município intervir na Rua de Belém e no Largo dos Mosteiros.

Outro dos temas fortes da reunião foi a Carris. Fernando Menina, autarca da capital, concordou com as queixas dos munícipes no que toca à quebra na qualidade dos serviços. Principalmente na zona da Ajuda, existe a necessidade de reforçar o número de carreiras.

Há três meses que a Carris foi municipalizada e foi criada uma aplicação que informa sobre o serviço, atrasos e demais informações oportunas, para credibilizar novamente a empresa.

A requalificação da linha de comboio que liga Lisboa a Cascais, a possibilidade de ligar Belém nos caminhos ferroviários que ligam algumas estações como Campolide, Entrecampos, Sete Rios e Orientes, foram outros dos temas abordados na reunião, assim como as obras de requalificação em Alcântara e na Ajuda.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.