Autarca do Alentejo satisfeito pelo fim do projeto mineiro de ouro

Segundo o autarca António Maduro, "há muito tempo, talvez há uns dois anos, que pararam os trabalhos de perfurações e de prospeção"

O presidente da junta de freguesia da Boa-Fé, no concelho de Évora, manifestou-se esta segunda-feira satisfeito pelo fim do projeto de exploração mineira de ouro na localidade, que, a avançar, implicaria "mais desvantagens do que vantagens".

"É bom ter parado. Essa é a minha opinião e a da maioria das pessoas daqui", disse à agência Lusa António Maduro, presidente da União de Freguesias de S. Sebastião da Giesteira e Nossa Senhora da Boa-Fé.

O autarca falava à Lusa a propósito da notícia publicada esta segunda-feira no Jornal de Negócios, revelando que a empresa canadiana Colt Resources, que tinha a concessão dos trabalhos de prospeção de ouro naquela freguesia, se encontra em processo de liquidação.

O grupo canadiano, que admitia a existência de oito milhões de onças de ouro naquela zona alentejana, segundo o jornal, abandonou as prospeções mineiras e está em liquidação, enquanto a sua subsidiária em Portugal, a Eurocolt Resources, é alvo de um pedido de insolvência, interposto por trabalhadores.

O Ministério da Economia, em declarações ao jornal, confirmou que "a atividade da empresa em Portugal ficou completamente suspensa" e que está em curso o "procedimento de extinção dos diversos contratos" assinados com o Estado português, em 2012.

O autarca da Boa-Fé disse esta segunda-feira à Lusa não ter qualquer informação relativa à insolvência da empresa ou à liquidação do grupo canadiano: "Nada, nunca mais ninguém nos disse nada".

Mas, segundo António Maduro, "há muito tempo, talvez há uns dois anos, que pararam os trabalhos de perfurações e de prospeção" na zona.

"Vimos que aquilo parou ali. Acho que o pessoal aqui da freguesia que trabalhava na empresa ficou com as contas todas certas. Andavam aí também uns estrangeiros, mas, em relação a esses, não sei se ficaram com pagamentos em atraso", referiu.

Questionado sobre se o aparente fim do projeto é prejudicial à freguesia, o autarca argumentou que "é o contrário", porque "as vantagens eram muito menores do que as desvantagens".

"A exploração seria a céu aberto e dentro da povoação. Iam ali abrir um buraco enorme, com cerca de 120 metros de profundidade e à volta de um hectare de largura, a 300 metros das casas" da povoação, criticou.

Para António Maduro, o projeto mineiro, "economicamente, até poderia trazer algum benefício", mas este seria "reduzido" e "não compensava os prejuízos ambientais de toda a espécie previstos".

O presidente da Câmara de Évora, Carlos Pinto de Sá, também alegou esta segunda-feira à Lusa desconhecer oficialmente o que se passa com a empresa ou com o projeto: "Não temos conhecimento de nada, infelizmente, uma vez que o Ministério da Economia não nos tem informado".

"Mas mantém-se a posição que o município e a assembleia municipal assumiram", quando, em setembro de 2014, deram "parecer desfavorável àquela exploração, nas condições em que foi proposta".

Na altura, a Câmara e a Assembleia Municipal de Évora justificaram o parecer desfavorável (que não tem caráter vinculativo) por considerarem "previsível que os custos globais do projeto, incluindo o enorme impacto ambiental na zona [da serra] de Monfurado, excedam largamente os limitados benefícios económicos para a freguesia, para o concelho e para a região".

A Lusa contactou esta segunda-feira o Ministério da Economia, através da Direção-Geral de Energia e Geologia, mas não obteve, até meio da tarde, esclarecimentos sobre o projeto da Colt Resources, nem sobre a extinção dos contratos com o Estado português.

Quanto aos contactos telefónicos dos responsáveis da Eurocolt e da Colt Resources ligados ao projeto da Boa-Fé, encontram-se desativados, constatou a Lusa.

O grupo canadiano, que começou, em 2012, a fazer trabalhos de estudo e de prospeção de ouro na Boa-Fé previa abrir uma mina de ouro na freguesia, estimando um investimento superior a 40 milhões de euros.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.