Autarca de Vila Real questiona segurança no Túnel do Marão

Rui Santos diz estar preocupado com pressão de água para combater incêndios e com o facto de o controlo de tráfego ter passado para Almada

O presidente da Câmara de Vila Real questionou hoje a segurança no Túnel do Marão, depois de o controlo de tráfego ter passado para Almada e porque a "pressão de água não é a adequada" para combater incêndios.

Rui Santos, eleito pelo PS, falava aos jornalistas numa conferência de imprensa que decorreu junto à entrada de Vila Real do Túnel do Marão e num dia em que o trânsito aumenta nas estradas devido ao Natal.

O presidente quis chamar a atenção para as questões de segurança de duas autoestradas que passam por Vila Real, as autoestradas do Marão e a A24.

A Autoestrada do Marão, que concluiu o prolongamento da A4 de Amarante a Vila Real e inclui um túnel rodoviário de 5,6 quilómetros, abriu ao trânsito a 08 de maio e, durante este período, a vigilância e controlo do tráfego foi feita diretamente da sala de operações, instalada num edifício na entrada do lado de Amarante, onde estiveram permanentemente dois operadores atentos às informações recolhidas pelas 124 câmaras espalhadas pela estrutura.

Em novembro, esta operação passou a estar centralizada no Centro de Controlo e Informação de Tráfego (CCIT) da Infraestruturas de Portugal (IP), localizado em Almada.

"A pergunta que eu faço é onde está o túnel? Ele está cá e, portanto, o que devia acontecer era o contrário, o que devíamos era ter um controlo local", afirmou o autarca transmontano.

Mas, Rui Santos alertou ainda para "outro problema" que disse estar relacionado com a "pressão na água de combate a incêndios que não é a adequada".

"Talvez por isso ainda não se tenham feito os simulacros que estavam previstos para o bom funcionamento do Túnel do Marão. Para quem tinha como lema a segurança em primeiro lugar, estas duas situações deixam-nos deveras preocupados", salientou.

A 25 de novembro, dia do primeiro nevão em Trás-os-Montes neste inverno, houve também, segundo o autarca, "um apagão na infraestrutura durante 45 minutos, a proteção civil não foi avisada e os bombeiros não foram avisados".

Rui Santos acredita que, se os operadores do centro de controlo ainda "aqui estivessem a resposta a esta questão seria mais rápida".

"Reclamamos a quem de direito que reponha as condições que foram anunciadas aquando da abertura do Túnel do Marão e que tenham a coragem de testar todos os aspetos ligados à segurança, nomeadamente as de combate aos incêndios que nos disseram que não estão nas condições ideias", sublinhou.

A IP já disse que as carrinhas de apoio se mantêm neste troço da A4, a funcionar 24 horas por dia, e que, no local, se mantém ativo o centro operacional existente com permanência de colaboradores da empresa que, em situações excecionais de necessidade, poderão inclusive reassumir a vigilância e operação do empreendimento do Marão.

Relativamente ao sistema de alimentação de água, a IP remeteu à Lusa um parecer elaborado pelo Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) e que considera que "este sistema satisfaz os requisitos mínimos do Decreto-Lei, pelo que se considera que satisfaz as exigências de segurança".

Para Rui Santos, o que se passa com a A24 é também "absolutamente escandaloso". Em novembro de 2015 e depois de renegociação do contrato de concessão entre o Estado e a Operscut, foi cortada a iluminação nos nós de acesso e painéis de informação e reduzidos os limpa-neves.

"O facto é que passou um ano e nada disto ainda foi resolvido. Neste período de inverno, com o gelo e nevoeiro, é absolutamente inaceitável continuarmos a ter as autoestradas portajadas e não termos as condições de acessibilidade que outros têm", frisou.

Rui Santos deixou "um alerta e um pedido" para que estas situações sejam corrigidas.

"Não está em causa nenhum valor significativo em termos financeiros, o que está em causa é sobretudo vontade política", afirmou.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?