Autarca de Vila Real questiona segurança no Túnel do Marão

Rui Santos diz estar preocupado com pressão de água para combater incêndios e com o facto de o controlo de tráfego ter passado para Almada

O presidente da Câmara de Vila Real questionou hoje a segurança no Túnel do Marão, depois de o controlo de tráfego ter passado para Almada e porque a "pressão de água não é a adequada" para combater incêndios.

Rui Santos, eleito pelo PS, falava aos jornalistas numa conferência de imprensa que decorreu junto à entrada de Vila Real do Túnel do Marão e num dia em que o trânsito aumenta nas estradas devido ao Natal.

O presidente quis chamar a atenção para as questões de segurança de duas autoestradas que passam por Vila Real, as autoestradas do Marão e a A24.

A Autoestrada do Marão, que concluiu o prolongamento da A4 de Amarante a Vila Real e inclui um túnel rodoviário de 5,6 quilómetros, abriu ao trânsito a 08 de maio e, durante este período, a vigilância e controlo do tráfego foi feita diretamente da sala de operações, instalada num edifício na entrada do lado de Amarante, onde estiveram permanentemente dois operadores atentos às informações recolhidas pelas 124 câmaras espalhadas pela estrutura.

Em novembro, esta operação passou a estar centralizada no Centro de Controlo e Informação de Tráfego (CCIT) da Infraestruturas de Portugal (IP), localizado em Almada.

"A pergunta que eu faço é onde está o túnel? Ele está cá e, portanto, o que devia acontecer era o contrário, o que devíamos era ter um controlo local", afirmou o autarca transmontano.

Mas, Rui Santos alertou ainda para "outro problema" que disse estar relacionado com a "pressão na água de combate a incêndios que não é a adequada".

"Talvez por isso ainda não se tenham feito os simulacros que estavam previstos para o bom funcionamento do Túnel do Marão. Para quem tinha como lema a segurança em primeiro lugar, estas duas situações deixam-nos deveras preocupados", salientou.

A 25 de novembro, dia do primeiro nevão em Trás-os-Montes neste inverno, houve também, segundo o autarca, "um apagão na infraestrutura durante 45 minutos, a proteção civil não foi avisada e os bombeiros não foram avisados".

Rui Santos acredita que, se os operadores do centro de controlo ainda "aqui estivessem a resposta a esta questão seria mais rápida".

"Reclamamos a quem de direito que reponha as condições que foram anunciadas aquando da abertura do Túnel do Marão e que tenham a coragem de testar todos os aspetos ligados à segurança, nomeadamente as de combate aos incêndios que nos disseram que não estão nas condições ideias", sublinhou.

A IP já disse que as carrinhas de apoio se mantêm neste troço da A4, a funcionar 24 horas por dia, e que, no local, se mantém ativo o centro operacional existente com permanência de colaboradores da empresa que, em situações excecionais de necessidade, poderão inclusive reassumir a vigilância e operação do empreendimento do Marão.

Relativamente ao sistema de alimentação de água, a IP remeteu à Lusa um parecer elaborado pelo Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) e que considera que "este sistema satisfaz os requisitos mínimos do Decreto-Lei, pelo que se considera que satisfaz as exigências de segurança".

Para Rui Santos, o que se passa com a A24 é também "absolutamente escandaloso". Em novembro de 2015 e depois de renegociação do contrato de concessão entre o Estado e a Operscut, foi cortada a iluminação nos nós de acesso e painéis de informação e reduzidos os limpa-neves.

"O facto é que passou um ano e nada disto ainda foi resolvido. Neste período de inverno, com o gelo e nevoeiro, é absolutamente inaceitável continuarmos a ter as autoestradas portajadas e não termos as condições de acessibilidade que outros têm", frisou.

Rui Santos deixou "um alerta e um pedido" para que estas situações sejam corrigidas.

"Não está em causa nenhum valor significativo em termos financeiros, o que está em causa é sobretudo vontade política", afirmou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.