Austrália acredita que destroços do MH370 serão encontrados até julho

O avião da Malaysia Airlines desapareceu a 8 de março de 2014, quando voava entre Kuala Lumpur e Pequim

O chefe da autoridade australiana que lidera as buscas pelo avião com o código de voo MH370, no Oceano Índico, afirmou hoje que considera "muito provável" encontrar destroços antes de julho, quando termina a atual operação.

Esta missão, em que também participam a Malásia e a China, deve terminar em junho o rastreio de uma área de 120 mil quilómetros quadrados numa zona remota do Índico, estando por analisar aproximadamente 30 mil quilómetros quadrados.

"Cobrimos cerca de três quartos da área de busca e não encontrámos rastro do aparelho, o que aumenta a probabilidade de que esteja onde ainda não procurámos", disse o comissário-chefe do Departamento de Segurança dos Transportes da Austrália, Martin Dolan.

O avião da Malaysia Airlines desapareceu a 08 de março de 2014, quando estabelecia a rota entre Kuala Lumpur e Pequim, com 239 pessoas a bordo.

Na semana passada,, foi encontrada uma peça de um avião em Moçambique que pode estar relacionada com o Boeing 777 da Malaysia Airlines desaparecido há dois anos.

A peça será entregue a peritos malaios para análises laboratoriais completas.

Das análises preliminares à peça, encontrada por um turista norte-americano no banco de areia de Palumo, perto de Vilanculos, no sul de Moçambique, "ainda é muito cedo para se tirar qualquer conclusão", disse à Lusa o presidente do Instituto de Aviação Civil de Moçambique (IACM), João Abreu.

O presidente do IACM considerou igualmente não fazer sentido iniciar buscas por mais vestígios na costa de Moçambique, "sem informações exatas sobre aquela peça".

Uma associação de familiares dos passageiros desaparecidos no voo MH370 pediu na quinta-feira que sejam iniciadas buscas exaustivas na costa da África oriental, depois da descoberta em Moçambique.

Embora alertando para a necessidade de confirmação, o ministro dos Transportes malaio, Liow Tiong Lai, disse na quarta-feira que informações iniciais apontavam para uma "grande possibilidade" de o objeto pertencer a um Boeing 777.

Este é o mesmo modelo do voo MH370.

O ministro dos Transportes australiano, Darren Chester, afirmou por seu lado que o objeto "vai ser transferido para a Austrália, onde será examinado".

Chester acrescentou que a localização da descoberta do fragmento é consistente com os modelos de correntes oceânicas usados pelas autoridades australianas que efetuam as buscas pelo MH370.

No passado mês de julho, um fragmento de uma asa de avião foi encontrado na Reunião, a leste de Madagáscar, o único vestígio confirmado do avião da Malaysia Airlines descoberto até ao momento.

A 08 de março de 2014, o aparelho desviou-se da rota por razões desconhecidas.

O local do acidente nunca foi identificado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.