Atividade sísmica está a normalizar na ilha açoriana de São Miguel

Na sexta-feira, registou-se um "incremento da atividade sísmica" no vulcão das Furnas, com registo de "alguns microssismos" na área do vale das Furnas

A atividade sísmica na ilha de São Miguel, Açores, está a normalizar, informou hoje o Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros, observando que aquela está a aproximar-se dos "níveis de referência".

Segundo a Proteção Civil, que cita o Centro de Informação e Vigilância Sismovulcânica dos Açores, a atividade sísmica que se regista em São Miguel desde a tarde de sexta-feira "diminuiu ao longo do dia seguinte, aproximando-se dos níveis de referência".

"Todos os eventos registados nas últimas 24 horas foram de baixa magnitude e localizaram-se na faixa que se desenvolve entre Furnas e Água Retorta, no concelho da Povoação, não havendo qualquer notícia de terem sido sentidos pela população", adianta a Proteção Civil regional.

Na sexta-feira, registou-se um "incremento da atividade sísmica" no vulcão das Furnas, havendo ainda o registo de "alguns microssismos" na área do vale das Furnas.

"Registou-se desde as 14:27 de hoje [sexta-feira] um incremento da atividade sísmica no vulcão das Furnas, em São Miguel, numa faixa com cerca de cinco quilómetros de comprimento, direção noroeste/sueste, que se estende da zona da Ribeira Quente até à lagoa das Furnas", informou a Proteção Civil regional.

Os sismos "mais energéticos ocorreram às 14:46, com magnitudes 3,1 e 3,0, e tiveram epicentros localizados a dois e a um quilómetro, respetivamente, a noroeste da Ribeira Quente, no concelho da Povoação".

Estes foram sentidos com intensidade máxima V/VI na escala de Mercalli Modificada na Ribeira Quente.

"Os eventos foram ainda sentidos com intensidade V nas Furnas, IV/V na Povoação, e IV no Faial da Terra, no concelho da Povoação, e Ponta Garça, no concelho de Vila Franca do Campo".

No sábado, a atividade sísmica na zona das Furnas já evidenciava uma tendência decrescente.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.