Asteroide passa esta terça-feira "perto" da terra

O corpo rochoso 2010 CW9 tem entre 60 a 120 metros de diâmetro e vai passar a mais de 200 mil km. A NASA garante que não representa perigo

O asteroide 2010 CW9 foi descoberto em novembro de 2010, pelo observatório americano Catalina Sky Survey, da Universidade do Arizona, nos EUA, e foi monitorizado até ao primeiro dia de dezembro desse ano. Altura em que desapareceu. Voltou a aparecer agora, numa altura em que se prepara para passar perto da Terra.

Com um diâmetro entre 60 a 130 metros - ou seja, mais ou menos o tamanho da Torre dos Clérigos (76 m de altura) -, o corpo rochoso vai passar cerca de 200 mil km da Terra, por volta das 23:00 de Portugal, a uma velocidade de cerca de 46,116 km/h. Não será visível à vista desarmada.

Segundo o astrónomo Guy Wells, do Observatório Northolt Branch, em Londres, citado na NewsWeek, esta é uma das raras vezes em que um asteroide tão grande passa tão próximo da Terra.

"Há muitas aproximações de asteroides, a maioria são muito pequenos. Muito poucos objetos daquele tamanho já foram vistos a chegarem mais perto do que a Lua", disse à NewsWeek.

A mesma publicação recorda que em 2013, o meteorito de Chelyabinsk - que era bastante mais pequeno que o CW9 - entrou na atmosfesra terrestre e caiu sobre a Rússia, levando várias pessoas ao hospital, partindo janelas em seis cidades russas diferentes.

Apesar da grande dimensão, o 2010 WC9 não representa riscos para o planeta, uma vez que a sua trajetória não deverá fazê-lo entrar na atmosfera terrestre, conforme anuncia a NASA no Twitter.

"Este é o quarto asteroide a passar entre a Terra e a lua nos últimos 30 dias. Não representa qualquer perigo", lê-se.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.