Asteroide passa esta terça-feira "perto" da terra

O corpo rochoso 2010 CW9 tem entre 60 a 120 metros de diâmetro e vai passar a mais de 200 mil km. A NASA garante que não representa perigo

O asteroide 2010 CW9 foi descoberto em novembro de 2010, pelo observatório americano Catalina Sky Survey, da Universidade do Arizona, nos EUA, e foi monitorizado até ao primeiro dia de dezembro desse ano. Altura em que desapareceu. Voltou a aparecer agora, numa altura em que se prepara para passar perto da Terra.

Com um diâmetro entre 60 a 130 metros - ou seja, mais ou menos o tamanho da Torre dos Clérigos (76 m de altura) -, o corpo rochoso vai passar cerca de 200 mil km da Terra, por volta das 23:00 de Portugal, a uma velocidade de cerca de 46,116 km/h. Não será visível à vista desarmada.

Segundo o astrónomo Guy Wells, do Observatório Northolt Branch, em Londres, citado na NewsWeek, esta é uma das raras vezes em que um asteroide tão grande passa tão próximo da Terra.

"Há muitas aproximações de asteroides, a maioria são muito pequenos. Muito poucos objetos daquele tamanho já foram vistos a chegarem mais perto do que a Lua", disse à NewsWeek.

A mesma publicação recorda que em 2013, o meteorito de Chelyabinsk - que era bastante mais pequeno que o CW9 - entrou na atmosfesra terrestre e caiu sobre a Rússia, levando várias pessoas ao hospital, partindo janelas em seis cidades russas diferentes.

Apesar da grande dimensão, o 2010 WC9 não representa riscos para o planeta, uma vez que a sua trajetória não deverá fazê-lo entrar na atmosfera terrestre, conforme anuncia a NASA no Twitter.

"Este é o quarto asteroide a passar entre a Terra e a lua nos últimos 30 dias. Não representa qualquer perigo", lê-se.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.