Asteroide de 4,35 km de diâmetro vai passar "perto" da Terra

'Florence' vai passar sexta-feira a cerca de sete milhões de quilómetros, sendo o maior objeto a passar tão perto da Terra desde que a NASA começou a seguir os asteroides, nos anos noventa.

O asteroide Florence, cujo diâmetro médio é de 4,35 quilómetros e é considerado "potencialmente perigoso" por causa da sua órbita e do seu tamanho, passará a cerca de sete milhões de quilómetros da Terra na sexta-feira.

O Florence, batizado em homenagem à enfermeira Florence Nightingale, foi descoberto em março de 1981 pelo astrónomo norte-americano Schelte Bus, a partir do Observatório Siding Spring, na Austrália. Será o maior objeto a passar tão perto da Terra desde que a agência espacial norte-americana (NASA) começou a seguir estes eventos, na década de 1990.

"Apesar de muitos asteroides conhecidos já terem passado mais perto da Terra do que o Florence, estima-se que todos eles fossem mais pequenos", disse o diretor do Centro para o Estudo dos Objetos Próximos da Terra da NASA, Paul Chodas, citado num comunicado..

No início deste ano, um asteroide de três metros passou a uma altitude de apenas 14 mil quilómetros - há satélites geostacionários mais afastados da Terra - sendo detetado apenas seis horas antes. O Florence será mais visível que o 2014 JO25, que tinha um diâmetro de 650 metros, e que passou a 1,8 milhões de quilómetros do nosso planeta. Será visível com recurso a pequenos telescópios ao longo de várias noites, atravessando as constelações de Piscis Austrinus, Capricornus, Aquarius e Delphinus.

O "encontro" de 2017 é o mais próximo do Florence desde 1890, devendo regressar antes de outubro 2024, mas esta sexta-feira será o mais próximo que estará até depois do ano de 2500.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.