Asteroide de 4,35 km de diâmetro vai passar "perto" da Terra

'Florence' vai passar sexta-feira a cerca de sete milhões de quilómetros, sendo o maior objeto a passar tão perto da Terra desde que a NASA começou a seguir os asteroides, nos anos noventa.

O asteroide Florence, cujo diâmetro médio é de 4,35 quilómetros e é considerado "potencialmente perigoso" por causa da sua órbita e do seu tamanho, passará a cerca de sete milhões de quilómetros da Terra na sexta-feira.

O Florence, batizado em homenagem à enfermeira Florence Nightingale, foi descoberto em março de 1981 pelo astrónomo norte-americano Schelte Bus, a partir do Observatório Siding Spring, na Austrália. Será o maior objeto a passar tão perto da Terra desde que a agência espacial norte-americana (NASA) começou a seguir estes eventos, na década de 1990.

"Apesar de muitos asteroides conhecidos já terem passado mais perto da Terra do que o Florence, estima-se que todos eles fossem mais pequenos", disse o diretor do Centro para o Estudo dos Objetos Próximos da Terra da NASA, Paul Chodas, citado num comunicado..

No início deste ano, um asteroide de três metros passou a uma altitude de apenas 14 mil quilómetros - há satélites geostacionários mais afastados da Terra - sendo detetado apenas seis horas antes. O Florence será mais visível que o 2014 JO25, que tinha um diâmetro de 650 metros, e que passou a 1,8 milhões de quilómetros do nosso planeta. Será visível com recurso a pequenos telescópios ao longo de várias noites, atravessando as constelações de Piscis Austrinus, Capricornus, Aquarius e Delphinus.

O "encontro" de 2017 é o mais próximo do Florence desde 1890, devendo regressar antes de outubro 2024, mas esta sexta-feira será o mais próximo que estará até depois do ano de 2500.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?