Associações de consumidores querem reembolso da "boneca espia"

"Este não é um caso isolado, muitos destes produtos ligados à internet estão a ser vendidos a consumidores da UE", alertam responsáveis

A venda da boneca 'My Friend Cayla' foi proibida pelas autoridades alemãs, por considerarem que a boneca, que tem ligação à internet, pode ser usada para espiar pessoas, divulgou hoje a Associação de Defesa do Consumidor (DECO). A Organização Europeia do Consumidor congratula-se com a decisão, mas lamenta que os consumidores não sejam compensados e já anunciou que vai lutar para que recebam a indemnização devida.

As autoridades alemãs apelaram aos pais para destruírem a boneca que funciona através de ligação à internet, que tem um microfone incorporado e tecnologias de reconhecimento de fala, permitindo-lhe "conversar" com as crianças.

A "boneca espia" não se encontra à venda em lojas em Portugal, mas estava acessível aos consumidores através de plataformas online como a Amazon ou Ebay, uma situação que levou a Deco a alertar a Autoridade para a Segurança Alimentar e Económica (ASAE) no passado mês de dezembro.

As preocupações da Deco e de outras organizações europeias de consumidores, bem como de congéneres norte-americanas, surgiram no seguimento de um estudo do Conselho Norueguês do Consumidor, que analisou as características técnicas de brinquedos ligados à internet e os termos e condições das suas aplicações.

Os resultados do estudo provaram infrações graves aos direitos das crianças, nomeadamente no que respeita à privacidade dos dados pessoais, porque as crianças ao interagirem com os brinquedos poderão partilhar informações pessoais, ou seja, dados que são sigilosos.

Segundo a Organização Europeia do Consumidor, este caso ilustra a notória falta de legislação comunitária atualizada para proteger eficazmente os consumidores das práticas comerciais desleais e de novas violações da segurança e privacidade que estão a surgir através deste tipo de produtos.

"Se brinquedos ligados à internet, como esta boneca falante, podem ser usados para espionar ou conversar com crianças, eles devem ser banidos", defende a diretora geral da Organização Europeia do Consumidor, Monique Goyens.

Segundo a responsável, a "Cayla ilustra como os consumidores estão desprotegidos num mundo cada vez mais" online.

Para Monique Goyens, "outros países da União Europeia devem seguir o exemplo do regulador alemão e banir este produto do mercado".

"Este não é um caso isolado, muitos destes produtos ligados à internet estão a ser vendidos a consumidores da UE", disse a responsável, manifestando preocupação com o facto de a legislação da União Europeia não ser suficiente para os desafios da era digital.

Para Monique Goyens, as leis de produtos da UE precisam de estar a par com os desenvolvimentos digitais para poder lidar com ameaças, como os 'hackers', fraude de dados ou espionagem.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.