Associações de consumidores querem reembolso da "boneca espia"

"Este não é um caso isolado, muitos destes produtos ligados à internet estão a ser vendidos a consumidores da UE", alertam responsáveis

A venda da boneca 'My Friend Cayla' foi proibida pelas autoridades alemãs, por considerarem que a boneca, que tem ligação à internet, pode ser usada para espiar pessoas, divulgou hoje a Associação de Defesa do Consumidor (DECO). A Organização Europeia do Consumidor congratula-se com a decisão, mas lamenta que os consumidores não sejam compensados e já anunciou que vai lutar para que recebam a indemnização devida.

As autoridades alemãs apelaram aos pais para destruírem a boneca que funciona através de ligação à internet, que tem um microfone incorporado e tecnologias de reconhecimento de fala, permitindo-lhe "conversar" com as crianças.

A "boneca espia" não se encontra à venda em lojas em Portugal, mas estava acessível aos consumidores através de plataformas online como a Amazon ou Ebay, uma situação que levou a Deco a alertar a Autoridade para a Segurança Alimentar e Económica (ASAE) no passado mês de dezembro.

As preocupações da Deco e de outras organizações europeias de consumidores, bem como de congéneres norte-americanas, surgiram no seguimento de um estudo do Conselho Norueguês do Consumidor, que analisou as características técnicas de brinquedos ligados à internet e os termos e condições das suas aplicações.

Os resultados do estudo provaram infrações graves aos direitos das crianças, nomeadamente no que respeita à privacidade dos dados pessoais, porque as crianças ao interagirem com os brinquedos poderão partilhar informações pessoais, ou seja, dados que são sigilosos.

Segundo a Organização Europeia do Consumidor, este caso ilustra a notória falta de legislação comunitária atualizada para proteger eficazmente os consumidores das práticas comerciais desleais e de novas violações da segurança e privacidade que estão a surgir através deste tipo de produtos.

"Se brinquedos ligados à internet, como esta boneca falante, podem ser usados para espionar ou conversar com crianças, eles devem ser banidos", defende a diretora geral da Organização Europeia do Consumidor, Monique Goyens.

Segundo a responsável, a "Cayla ilustra como os consumidores estão desprotegidos num mundo cada vez mais" online.

Para Monique Goyens, "outros países da União Europeia devem seguir o exemplo do regulador alemão e banir este produto do mercado".

"Este não é um caso isolado, muitos destes produtos ligados à internet estão a ser vendidos a consumidores da UE", disse a responsável, manifestando preocupação com o facto de a legislação da União Europeia não ser suficiente para os desafios da era digital.

Para Monique Goyens, as leis de produtos da UE precisam de estar a par com os desenvolvimentos digitais para poder lidar com ameaças, como os 'hackers', fraude de dados ou espionagem.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.