Assalto à neta do "Barão do Ave" rendeu um milhão

Assaltantes entraram na mansão aproveitando alarme estar desligado

Inês Amorim, filha de Bento Amorim, antigo presidente da Câmara de Vila do Conde, também conhecida como neta do "Barão do Ave", foi assaltada. O valor do roubo foi de cerca de um milhão de euros, avançam hoje o Jornal de Notícias e o Correio da Manhã.

O assalto aconteceu no domingo, entre as 16:30 e as 20:00, o período de tempo que Inês Amorim esteve ausente da propriedade, situada em Macieira da maia, Vila do Conde. Tinha saído de casa e, como não contava demorar-se não ligou o alarme.

Os ladrões terão saltado o muro da propriedade e entrado na casa através da casa, cuja porta ficou destruída. Levaram anéis de diamantes, cordões de ouro antigos, uma barra de ouro, joias e uma arma antiga. Terão fugido no jipe da proprietária, que apareceu incendiado na Mealhada.

Esta foi a terceira vez que a propriedade foi assaltada nos últimos três meses, dizem as mesmas fontes.

Entretanto, a rádio Onda Viva avança que as autoridades estão a investigar a eventual ligação entre este e um outro assalto, que aconteceu no dia seguinte, segunda-feira, na Póvoa de Varzim.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.