Assalto à neta do "Barão do Ave" rendeu um milhão

Assaltantes entraram na mansão aproveitando alarme estar desligado

Inês Amorim, filha de Bento Amorim, antigo presidente da Câmara de Vila do Conde, também conhecida como neta do "Barão do Ave", foi assaltada. O valor do roubo foi de cerca de um milhão de euros, avançam hoje o Jornal de Notícias e o Correio da Manhã.

O assalto aconteceu no domingo, entre as 16:30 e as 20:00, o período de tempo que Inês Amorim esteve ausente da propriedade, situada em Macieira da maia, Vila do Conde. Tinha saído de casa e, como não contava demorar-se não ligou o alarme.

Os ladrões terão saltado o muro da propriedade e entrado na casa através da casa, cuja porta ficou destruída. Levaram anéis de diamantes, cordões de ouro antigos, uma barra de ouro, joias e uma arma antiga. Terão fugido no jipe da proprietária, que apareceu incendiado na Mealhada.

Esta foi a terceira vez que a propriedade foi assaltada nos últimos três meses, dizem as mesmas fontes.

Entretanto, a rádio Onda Viva avança que as autoridades estão a investigar a eventual ligação entre este e um outro assalto, que aconteceu no dia seguinte, segunda-feira, na Póvoa de Varzim.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.