Inspetores da ASAE nos supermercados de todo o país para retirar batatas fritas com rótulo errado

Lay's admite "erro tipográfico" que corta hidratos de carbono para um sexto do valor real. Foi alertada há um mês

A ASAE (Autoridade de Segurança Alimentar e Económica) tem inspetores em supermercados de todo o país desde a manhã desta sexta-feira para fiscalizar e retirar as embalagens de batatas fritas Lay's com um erro tipográfico na descrição dos hidratos de carbono, que corta o valor para um sexto do real.

Sabe o DN que a PepsiCo, que detém a marca Lay's, foi igualmente notificada para dar explicações; recorde-se que a marca foi alertada há cerca de um mês para este erro, que coloca em risco os doentes diabéticos. Só depois de ser entregue a devida documentação a ASAE decidirá sobre eventuais penalizações.

O caso foi tornado público pelo DN e, ainda que não tenha havido qualquer denúncia junto da ASAE, o inspetor-geral decidiu tomar medidas, perante a informação incorreta que poderia ser lesiva para o consumidor.

As batatas fritas em causa são as Lay's no forno originais. A marca confirmou ao DN haver um "erro tipográfico" na descrição dos hidratos de carbono. Na embalagem está escrito que tem 12 gramas de hidratos por cada 100 gramas de batatas, mas na verdade tem 72 gramas de hidratos. "A informação está errada nas embalagens do mercado espanhol e português", indicou o gabinete de comunicação da PepsiCo, detentora da Lay's.

A marca foi alertada para este erro em agosto por membros de um grupo no Facebook para doentes diabéticos. "Quando a marca surgiu comentamos no grupo que tinha baixos hidratos, porque andamos sempre à procura destas coisas, depois algumas pessoas começaram a comentar que tinham valores alterados, mas não percebíamos se era das batatas, porque pode haver outras causas. Mas depois uma das pessoas do grupo do Facebook foi a França e percebeu que afinal as batatas têm seis vezes mais hidratos do que o indicado. Isto é uma diferença brutal porque está inteiramente ligado à quantidade de insulina que tomamos", contou Cristina Mota ao DN, recordando o alerta que fez em agosto à marca.

Em resposta, a Lay's escreveu: "Informamos que realmente se tratava de um erro. Muito obrigado por nos avisar. Estávamos cientes do ocorrido e quando tivermos uma oportunidade iremos modificá-lo". Cristina Mota refere que ainda pediu à marca para que fizessem "um comunicado público, de alerta".

Ao DN, a assessoria da marca referiu que está "a mudar os rótulos", mas não têm "nada pensado" para alertar os consumidores de que as embalagens ainda à venda têm um erro nutricional. A garantia é de que "já não deve faltar muito" para as embalagens com os rótulos corretos começarem a chegar aos postos de venda. Até lá, o erro iria manter-se, sem aviso prévio aos consumidores.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.